Últimas Publicações

…a espinha ereta e o coração tranquilo

Aquela mãe de amigos meus se incomodava profundamente com minha postura desleixada na adolescência e achou um jeito bastante interessante de me fazer conscientizar sobre a necessidade de vigiar minha postura: toda vez que me via emulando Quasímodo, com os ombros projetados pra frente e a cabeça entre eles, ela vinha por trás e empurrava com o nó do indicador a base de minha coluna lombar. Num passe de mágica minha postura se emendava.

Por alguma razão lembrei disso lendo Atos 4. Os apóstolos pregavam sobre Jesus, dizendo que Ele havia ressuscitado quando foram chamados perante os líderes judaicos para responder com que autoridade falavam aquelas coisas. Aparentemente, naquele tempo você precisava necessariamente ter autoridade vinda de cima para fazer qualquer coisa. Eles queriam saber qual era a escola rabínica à qual estavam afiliados e que lhes permitia a ousadia de pretender ensinar quem quer que fosse.

confidentPedro responde com poucas palavras, sem rodeios: falamos em nome de Jesus Cristo, aquele que vocês mataram, mas que Deus ressuscitou dos mortos. Não existe outro nome capaz de salvar. Essa resposta me lembra muito alguém com a coluna muito ereta, o peito estufado. Ousadia. Coragem. Confiança. Como está na Bíblia Viva, “Quando os membros do Sinédrio viram a coragem de Pedro e João, e percebendo que eles eram evidentemente homens simples e sem cultura, ficaram admirados e reconheceram o que a convivência com Jesus havia feito neles” (verso 13).

Mas a coluna de Pedro nem sempre esteve assim retinha. No dia do aprisionamento de Jesus, quando perguntado se O conhecia, Pedro se encolheu todo e negou.

Anos atrás a revista Carta Capital publicou uma longa matéria sobre evangélicos no Brasil e chegou a uma curiosa constatação: a elite brasileira não gosta dos evangélicos porque há algo na fé deles que melhora sua autoestima, os faz empinar o peito e exigir seus direitos.

Que lindo paradoxo temos aqui: seguir o humilde galileu, assumir o tipo de humildade que Ele praticou, deveria melhorar, e não piorar nossa autoestima, deveria nos encher de uma santa ousadia e de um destemor sobrenatural.

A graça veio com seu dedo indicador e empurrou nossa coluna pra frente. A graça veio e nos mostrou quem somos e o que somos é muita coisa. Agora estufamos o peito, erguemos o pescoço não por nos sentirmos superiores a quem quer que seja, mas por saber que não somos inferiores a ninguém, nem mesmo aos que o mundo aplaude como vitoriosos. Acertamos nossa postura com a certeza de que somos valiosos porque somos filhos de Deus e que Ele nos viu dignos de enviar Seu próprio Filho para morrer em nosso lugar.

E o fato de estarmos sempre prontos a nos curvar e servir não significa que nos sentimos menores do que efetivamente somos. Antes, bem ao contrário.

Marco Aurélio Brasil…a espinha ereta e o coração tranquilo

Artigos Relacionados