Últimas Publicações

A forca e a Cruz

Certo fazendeiro tinha um filho a quem muito amava, mas pesaroso via o filho não se preocupar com o futuro e gastar todo o tempo e o dinheiro que lhe caía nas mãos com festas e diversões. Pediu que lhe construíssem um pequeno celeiro. Assim que ficou pronto o idoso homem para lá se dirigia todas as tardes. Entrava sozinho e passava horas lá dentro. Pelo barulho vindo dava para perceber que ele construía alguma coisa. Ao anoitecer saía, trancava a porta e voltava para casa. Essa rotina se repetiu por semanas.

Certo dia o homem chama o filho e pede que o acompanhe para dentro do celeiro. Lá dentro o idoso homem mostra ao filho a sua obra, no meio do celeiro estava erguida uma forca. Aponta para ela, coloca as mãos no ombro do rapaz, e fala em tom solene:

– Filho, estou velho e, após a minha morte sei que tomará conta de tudo que é meu, sei que deixará a fazenda nas mãos dos empregados e continuará a gastar tudo com seus amigos. Venderá os animais e os bens para se sustentar e, quando acabar o dinheiro perderá todos os seus amigos. Não terá a quem recorrer e vai se arrepender de nunca ter me ouvido. Por isso construí essa forca para você. Quero que me prometa que, caso isto aconteça, você vai se enforcar nela. Rindo, o jovem prometeu ao pai que atenderia seu pedido.

O tempo passou, o homem morreu e tudo aconteceu como previra. O filho perdeu toda a riqueza, os amigos e, por fim, perdeu também a dignidade.O jovem, desesperado e refletindo sobre a sua vida, viu quão tolo havia sido. Lembrou-se de cada conselho do pai e em prantos dizia a si mesmo como sua vida teria sido diferente se tivesse seguido os conselhos do pai. Mas era tarde demais, não lhe restava outra alternativa a não ser cumprir a promessa de se enforcar no celeiro. Já que nunca atendera os pedidos do pai quando ele vivia, atenderia agora depois que ele morrera.

Dirigiu-se ao celeiro, subiu os degraus da forca e colocou a corda ao redor do pescoço. Pensando que tudo o que queria naquele instante era apenas mais uma chance, pulou. A corda apertou seu pescoço, mas o braço da forca era oco e se quebrou. Caiu ao chão e sobre ele caiu uma infinidade de joias de todo o tipo. Junto caiu também um bilhete onde reconheceu a letra do pai e nele estava escrito:

– Meu filho, essa é sua nova chance, aproveite-a. Eu o amo muito.

homem ao pé da cruzÉ muito comum criticarmos o filho da história, mas agimos de forma parecida. O amanhã não nos preocupa e a salvação é coisa de menor importância. Tudo é mais importante que os conselhos do Pai. Imaginamos que todos os Seus pedidos/avisos são coisas de um Alguém exagerado. Adão e Eva foram avisados do mal que os espreitava, mas fizeram o que acharam melhor, o resultado é sentido até os dias de hoje. Felizmente, para eles e para nós, o Pai, que sabe o fim desde o princípio, deixou tudo organizado, para que nosso destino final não fosse o pior. Não ergueu uma forca, “ergueu” uma cruz e nela pendurou Seu Filho, para que todo o que nEle cresse não perecesse, mas tivesse a vida eterna (João 3:16).

Portanto, não importa quão longe você tenha ido, importa que tudo o que precisava ser feito para que os efeitos dos seus erros não o alcançassem já foi feito. Esta é a sua nova oportunidade, sua nova chance. Vá até a cruz e viva.

Gelson De Almeida Jr.A forca e a Cruz

Artigos Relacionados