Últimas Publicações

#aglomerados

Sei que depois de tantas informações e sensacionalismo dos meios de comunicação, sei que você já está cansado de ouvir essa historia. Mas como, não falar de uma tragédia desta proporção. “Agromerados”, foi o nome da festa realizada na boate Kiss. O evento era de acadêmicos dos cursos de Agronomia, Medicina Veterinária, Tecnologia de Alimentos, Zootecnia, Tecnologia em Agronegócio e Pedagogia.

Em momentos como o da madrugada de sábado, em Santa Maria, as redes sociais revelam o melhor e o pior não apenas do ser humano, mas do uso dessa tecnologia que aproxima pessoas e possibilita troca de informações em tempo real de e para qualquer lugar do mundo. Como em qualquer espaço público, há nas redes pessoas todo tipo de informação vinda de teclados de diversas espécies de seres humanos, se é que posso chamar de humanos?

Enfim, além dessa tragédia ceifar a vida de mais de duzentos jovens em pleno vigor da vida, o que me deixou estarrecido foi o uso das redes sociais. Na mesma velocidade com que pessoas próximas e distantes da tragédia, anônimos e famosos, manifestavam solidariedade, usuários de Twitter e Facebook eram surpreendidos por revoltantes manifestações de humor negro, demoníacas insinuações de conotação religiosa pelo fato dessa tragédia ter acontecido em um local de diversão, além de análises apressadas pedindo linchamento indiscriminado antes mesmo de se saber exatamente de quem.

Nessas horas, quando a reação não é mediada pela reflexão ou pelo bom senso, é possível agir no mundo virtual com a falta de caráter que a relação presencial eventualmente ajuda a disfarçar, podemos ser e dizer o que quisermos. Reações impensadas desse tipo acabam ofendendo não apenas as vítimas e suas famílias, mas a todos nós que usamos as redes sociais como uma segunda sala de estar das nossas casas – e que vimos esta sala coberta de dor e consternação nas últimas horas.

Por outro lado, as redes serviram para que se multiplicassem os pedidos de reforços de profissionais para atender os sobreviventes e suas famílias e para disseminar informações de utilidade pública, como pedidos de doação de sangue. Possibilitaram ainda o espaço ideal para o imenso luto coletivo que tomou conta não apenas do Estado, mas do mundo todo.

Nessa situação se puder ajudar ajude, com doações ou orações. E fica o alerta use este meio, as redes sociais, pra fruir amor e graça, que cada post seja uma oportunidade de propagar paz, alegria, perdão, esperança e uma experiência com Deus. As redes são o que quisermos fazer delas – e com certeza tem mais gente usando para o bem do que para o mal. Só uma experiência real, pode transcender para o virtual de forma real. #pensenisso

Adriano Vargas#aglomerados

Artigos Relacionados