Últimas Publicações

# Amor e Amizade

amor e amizadeNestes dias eu li um texto de um psiquiatra a quem admiro, contudo, não foi bem o que eu esperava encontrar. O assunto versava sobre a diferença entre o amor e a amizade, e à medida que o pensamento do autor se desenvolvia, restou claro que para ele o amor corresponde a uma busca para nos completarmos, sobretudo por carregarmos desde a infância a necessidade de sermos amados, devido ao recebimento do amor de mãe a que nos acostumamos.

Para o autor, as relações amorosas entre adultos se assemelham em muito com o sentimento que liga a criança à sua mãe, qual seja o da dependência, não havendo no mesmo diapasão que o da amizade, atitudes de confiança e cumplicidade.

Ao atribuir à amizade verdadeira tais valores, assim como a satisfação da companhia, por certo que o autor encontra boas razões a seus argumentos, no entanto, ao referir-se a esses valores entre amigos como algo mais solidamente alicerçado, por conta de afinidades e interesses comuns, do que caberiam aos casais, perdeu toda a credibilidade que pensei em atribuir ao artigo.

Por certo que ao falarmos de maturidade, o processo de fazer amizades guarda em si aspectos de individualidade bastante marcantes. Há, certamente, todo um paradigma para as escolhas, norteado, sobretudo por interesses comuns; entretanto, como não pensar o mesmo durante o processo de escolha daquele com quem desejamos passar a vida?

A busca do amor é sim, um processo adulto, porquanto deve haver em seu contexto a maturidade, jamais a dependência, ainda que o aprendizado que nos faz amadurecer seja um processo constante ao longo da vida. A busca de um amor que espera o suprimento de carências infantis, ou de um casamento que aguarda o preenchimento de valores materiais, está fadado a não conhecer o processo de amadurecimento que conduz à verdadeira cumplicidade.

Percebe-se, portanto, que o pensamento do referido articulista, mesmo vindo de um homem altamente preparado, inteligente, culto e educado, deve ser tomado como referência para se entender a diferença dos conceitos elaborados pelo mundo, daqueles fornecidos pelas escrituras. E estas proporcionam maturidade apenas àqueles que, de fato, se deixam transformar pelo Espírito do Eterno.

Ame, sim. Tenha amigos verdadeiros. E viva-os a partir da maturidade das escolhas, atribuindo respeito e admiração, jamais dependência. Aquele que busca um casamento para se completar, dificilmente será feliz. Aquele que atribui confiança e cumplicidade às suas amizades mais que ao seu cônjuge, vive incompleto.

O casamento, assim como a amizade, é uma escolha feita para compartilhar, calcado em confiança e cumplicidade iniciais que só devem crescer, e se há algo que dos relacionamentos se espere venham a acrescentar, que seja o próprio equilíbrio da relação, pois esta é a razão pela qual se propõem existir.

Casamento não é meio de suprir carências infantis e jamais poderá ser mensurado menor que um relacionamento de amizade. Ainda que existam amizades sólidas, e assim devem ser, o casamento se solidifica também pela amizade, tanto quanto por interesses comuns que passam a se multiplicar, sobretudo pelo amor. Muito mais do que poderia oferecer a melhor das amizades.

Pense nisso, e seja feliz com seu amor e com seus amigos.

Sady Folch – O Peregrino da Palavra

Sady Folch# Amor e Amizade

Artigos Relacionados