Últimas Publicações

Correntinhas

Pai e filho ficaram maravilhados ao encontrarem o elefante enquanto passeavam pelo circo. O filho, pelo tamanho e majestade do animal, e o pai pelo fato de ele estar preso a uma estaca no chão por uma corrente muito frágil. O funcionário do circo que escovava o animal, vendo o homem tão intrigado, explicou:

– Ele é preso a essa corrente desde filhotinho. Quando tentava sair, ela não deixava. Tentou uma porção de vezes, mas enfim conformou-se com o poder da correntinha e nunca mais a forçou para ver se ela continuaria a prendê-lo.

O elefante é incapaz de notar que embora a corrente continue a mesma, ele não é o mesmo ser que foi. Ele é incapaz de notar que o fenômeno do crescimento lhe confere poderes e possibilidades que seriam antes impensáveis.

Nós também temos nossas correntes. Coisas que um dia nos limitaram e condicionaram continuam limitando e condicionando porque temos medo de encetar novas lutas contra elas e reabrir as feridas já cicatrizadas daquelas primeiras lutas, sem nos darmos conta que não somos mais as mesmas pessoas que aquelas coisas derrotaram. Pior ainda: somos condicionados e limitados pelas correntes que aprisionam os outros, também. Vemos à nossa volta pessoas conformadas com certas barreiras e acabamos imitando sua atitude, por comodidade, conveniência ou covardia.

Todo esse papo pode até parecer balela de auto-ajuda, mas o que estou dizendo é algo bem diferente. A corrente aqui é o pecado, que pode ser a condescendência com atos moralmente execráveis ou a transgressão à lei divina ou ainda a simples negligência e inércia espirituais. Ficamos presos por essas coisas sem notar que “quem está em Cristo, nova criatura é” (II Corintios 5:17). Como o fenômeno do crescimento para o elefante lhe confere uma força que ele não tinha, o fenômeno da conversão confere ao cristão um novo status de justiça, novas vontades, gostos, preferências e um novo poder para agir em conformidade com tudo isso.

“As coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo”. Nós somos livres!

Marco Aurélio BrasilCorrentinhas

Artigos Relacionados