Últimas Publicações

Desfibrilador, por favor

“Um sintoma de que sua igreja está morrendo é se nela não há ninguém na liderança que há três ou quatro anos estava morto”.

Li isso algum tempo atrás, provavelmente em “Rethinking the church”, de James Emery White. Bem, se esse critério é válido, a verdade é que minha igreja está morrendo. E provavelmente a sua também. Ela pode até estar crescendo de ano para ano, mas em essência ela está morrendo. Porque ela é um organismo projetado para a multiplicação. E se ela não está no serviço de ressurreição massiva de mortos, ela é um morto e não sabe, tão carente de ressurreição quanto aqueles a quem ela deveria alcançar.
Podemos pensar em como mudar esse quadro e alcançar de verdade os mortos, como invadir o reino de Satanás de forma que as portas do inferno não aguentem. Vamos mudar a música? Vamos mudar nossas roupas? Vamos falar mais gírias?
Concordo que ajustes precisam ser feitos, porque ninguém deixa de estar morto e vem para a vida sem que haja discipulado e discipulado envolve comunicação. Precisamos nos comunicar com eles, aprender sua língua. Mas o fato é que quem opera o milagre da ressurreição é o Espírito Santo.
Nurse and Doctor with Defibrillators --- Image by © Royalty-Free/Corbis

Nurse and Doctor with Defibrillators — Image by © Royalty-Free/Corbis

Ficou fácil, né? Vamos botar a culpa no Espírito Santo, que está fazendo um péssimo trabalho.
Bem, se sua mãe estivesse doente e você tiver estas duas opções de hospitais, qual você escolheria? No primeiro, os equipamentos são de ponta, as camas têm aqueles motorzinhos que levantam a cabeceira e no quarto há uma TV com 200 canais. Só que os médicos e enfermeiros não ligam a mínima para os pacientes. Eles fazem o mínimo necessário, demoram a atender chamados e o fazem de má vontade. No segundo, sua mãe ficaria numa enfermaria sem TV, com outros doentes, mas a equipe atende seus pacientes com amor e desvelo.
Não sei qual seria a sua opção, mas, à luz do evangelho, a de Deus me parece ser a do segundo hospital. Bem, se Jesus e o Espírito Santo são o samaritano da parábola, recolhendo o morto do caminho e o confiando a alguém para cuidar dele até que volte, fico pensando se ele não passa com o coitado montado em sua jumenta, olha para dentro da minha igreja, vê a TV com trocentos canais e tudo mais e, lastimando o fato, o leva até outra hospedaria qualquer.
“Nisso conhecerão todos que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros” (João 13:35).
É hora de parar de falar em comprar mais TVs e camas motorizadas e pensar que nossa missão é fazer discípulos.
Feliz sábado, @migos!
Marco Aurelio Brasil, 25/09/15
Marco Aurélio BrasilDesfibrilador, por favor