Últimas Publicações

Em quem Deus confia?

Os psicólogos costumam dizer que a imagem que temos de nós mesmos está diretamente relacionada com o que imaginamos que os outros pensam de nós. Ou seja: o que achamos que os outros pensam que somos acaba nos condicionando. Talvez agora você tenha parado para pensar no que acha que os outros pensam de você. Então aproveite e vá mais longe: tente imaginar o que Deus pensa a seu respeito.

O livro de Jó é um bom manual de teologia popular. Seus personagens manifestam crer, por exemplo, que se alguém sofre é porque Deus está zangado com ele por causa de seus pecados. Essa ideia parece bastante lógica porque costumamos tentar fazer sofrer quem nos magoa ou, na melhor das hipóteses, deixamos que os que nos desobedecem colham os frutos desfavoráveis de suas atitudes. Outra expressão de teologia popular, baseada na lógica, é esta fala de Elifaz: “Eis que Deus não confia nos seus santos, nem o céu é puro aos seus olhos” (Jó 15:15).

É óbvio. Por que Ele confiaria em criaturas minúsculas, erráticas e estúpidas? Deus confiaria em mim, por exemplo? Pode o onipotente depositar confiança no “nada-potente”?

Como em muitos outros pontos, porém, a lógica humana não funciona com a teologia bíblica. Não podemos apedrejar o pobre do Elifaz, porque ele não tinha para ler, por exemplo, o próprio livro de Jó.

Afinal, se pudesse ler os dois primeiros capítulos do livro veria que o ilógico acontece com Deus, pois Ele confiou em Jó. Apostou Suas fichas perante todo o Universo em uma criatura que tinha ideias teológicas seriamente distorcidas para responder a acusações injustas de Satanás.

Jó podia ter ideias erradas sobre Deus, mas não passava um único dia sem relacionar-se com Ele. Este parece ter sido o critério que o fez digno da confiança do Onipotente. Lembre: estava em jogo saber se as pessoas só servem a Deus quando são beneficiadas por Ele. Esta era a acusação de Satanás. Para tirar a prova disso não se poderia tomar uma pessoa diferente das demais. Jó era feito da mesma matéria prima que eu e você, sujeito às mesmas coisas. Fosse diferente e a questão não seria resolvida.

O que Deus pensa de você? Bem, por ser membro da mesma espécie que Jó, saiba que você pode ser digno da confiança extrema dEle, mesmo contra toda a lógica, porque está provado que Ele confia em criaturas cheias de defeitos e que podem até alimentar ideias erradas a respeito dEle, mas que estão dispostas a passar tempo com Ele.

Marco Aurélio BrasilEm quem Deus confia?

Artigos Relacionados