Últimas Publicações

Misericórdia

Conta-se que uma mãe foi até Napoleão Bonaparte afim de clamar por misericórdia para seu filho, que acabara de ser condenado à morte. O imperador afirmou que, sendo reincidente, merecia a pena capital, a mãe retruca dizendo  que não queria justiça, queria misericórdia. Napoleão diz que ele não merecia misericórdia, gentilmente a mãe diz que se ele merecesse, não seria misericórdia. Napoleão, finalmente diz que o jovem teria a misericórdia aplicada em seu caso.

Muitos acham que, por alguns “bons atos” praticados, são dignos de misericórdia por parte do Pai, esquecem-se de que, Ele mesmo afirma que nossos bons atos não passam de trapos imundos (Isaías 64:6). Como pecadores que somos, não merecemos nada além da morte (Romanos 6:23a), mas, pela misericórdia divina, receberemos, gratuitamente, a vida eterna.

Em se tratando de salvação, misericórdia, graça, favor imerecido, clemência ou outro qualquer termo correlato, é tudo a mesma coisa. É o Eterno nos tratando de um modo que não merecemos. Disse alguém certa vez que misericórdia divina é Cristo pagando o preço (morte) dos meus pecados e nós recebendo a recompensa a que Ele tinha direito.

Nascemos e vivemos como fruto da misericórdia divina, cada situação do dia a dia, onde somos vitoriosos, também é fruto da misericórdia divina, ou seja, tudo o que temos e somos é fruto dessa misericórdia. Deste modo, não nos resta outra alternativa a não ser agradecer continuamente ao Pai por tão grandiosa dádiva e viver à altura de todo esse modo maravilhoso como somos tratados. Por que não aproveita e, agora mesmo, eleve uma prece de gratidão ao Eterno por aquilo que você é e por tudo que você tem e ainda terá, afinal, a única coisa que podemos dar-Lhe é a nossa gratidão.

Gelson De Almeida Jr.Misericórdia

Artigos Relacionados