Últimas Publicações

Novos comportamentos

Jesus, o meu líderA empatia, segundo o dicionarista Antônio Houaiss, é a capacidade de se identificar com outra pessoa, de sentir o que ela sente, de querer o que ela quer, de apreender do modo como ela apreende, entre outras. Para exemplificar os momentos em que nos relacionamos com uma pessoa que age de forma errada conosco, tomemos de empréstimo a capacidade de sentir o que ela sente.

Diante de uma situação como essa o que fazemos normalmente é nos afastarmos da pessoa. É possível inclusive que nossos pensamentos se desdobrem em outros sem que os reconheçamos por enganosos. Pensamos em tudo o que acontece, verificamos os erros que nos atingiram e podemos até mesmo achar que há algo de errado conosco. Assim pode iniciar um processo de erros maiores ainda, pois julgamos apenas por nossos pontos de vista.

No entanto, se vivemos a vida pela fé em Jesus, cumprindo os mandamentos de Deus, a resultante é uma jornada madura espiritualmente falando, e nossas velhas formas de analisar se transformam em outras mais elevadas, incomuns ao mundo.

Quando agimos, por exemplo, com empatia por alguém, estamos nos dispondo a amar essa pessoa, ainda que não a amemos efetivamente. Quero dizer, amar como o mundo está acostumado a viver esse sentimento. O amor pode se representar também por um comportamento.

Muitas vezes nossos julgamentos podem estar corretos, mas é surpreendente como podemos estar errados enquanto acreditamos certos. “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento”, afirma o livro de provérbios. Alinhados às escrituras somos melhor instruídos do que o mundo poderia.

As palavras de Jesus nesse sentido estão registradas no evangelho de João quando lemos: “Não julguem segundo a aparência, mas segundo a reta justiça”. A resposta que buscamos pode ser encontrada através da empatia. Se algo se mostra em conflito diante de nós, que seja essa a nossa justa medida para compreendermos a situação.

O que pode estar se passando com o outro? Quais serão os problemas que o levam a agir assim? Por que, afinal, essa pessoa reiteradamente age de forma agressiva ou errônea comigo ou para com quem quer que seja? Ao fazermos essas perguntas diante do caso concreto percebermos a transformação de nossos pensamentos. Uma paz interior toma o lugar onde antes havia ocupação com julgamentos.

Sabe, as respostas advindas dessas perguntas podem fazer com que um mundo novo se abra diante de nossos olhos. É possível e bastante provável que as justificativas verdadeiras para aqueles atos de desequilíbrio surjam com grande clareza. E aí uma coisa é certa: fica muito mais fácil tomarmos as atitudes certas que de fato modifiquem o relacionamento com essa pessoa.

É preciso abrir a mente e o coração para dar lugar a esse novo comportamento. Peça a Deus para que te revele o que esteja oculto. Permita-se colocar-se no lugar de outra pessoa. A diferença de vida será notória, e o seu caminho pode ser bem mais leve e suave. Que a paz do Cristo esteja contigo.

Sadi – O Peregrino da Palavra

Sady FolchNovos comportamentos

Artigos Relacionados