Últimas Publicações

O sofrimento de Letícia

Há momentos em que parece que tudo conspira contra nós, nos sentimos o mais infeliz dos mortais, acordamos com este sentimento e, quanto mais o dia passa, parece que a sensação aumenta. Em  momentos assim perguntas como: “Por quê?”, “Até quando?” ou “Quanto mais?” são feitas com frequência.

Ontem constatei que nada do que passei até hoje se compara com a vida de Letícia, de doze anos. Há menos de quatro anos, numa ação imprudente da polícia, um projétil de arma de fogo transfixou a perna de seu irmãozinho de um ano e nove meses e atingiu sua mãe, que o segurava no colo, matando-a em minutos. Conheci Letícia há mais de um ano e nunca houve um dia sequer em que não a visse sorrindo e brincando com seus colegas. Ontem mais uma fatalidade se abateu sobre ela. Seu pai faleceu em um acidente quando voltava do hospital onde havia deixado a mãe minutos antes. Um sentimento de impotência me invadiu quando a abracei no velório, o que falar que servisse de consolo? Tão nova e a vida já lhe cobrara tanto.

Em momentos como este apenas a Palavra pode nos confortar. Paulo afirma que Deus, por Sua fidelidade e justiça não permite que soframos além de nossas forças e quando o sofrimento vem Ele envia o alívio (I Coríntios 10:13). Que promessa maravilhosa! Temos um Pai que se apieda de Seus filhos e nunca os abandona em momentos de dor e crise. Não existe dor ou sofrimento que Ele não possa curar, não existe vida que Ele não possa restaurar. Entregue-Lhe seu fardo e o melhor será feito por você.

Gelson De Almeida Jr.O sofrimento de Letícia

Artigos Relacionados