Últimas Publicações

# Posturas

posturasDias atrás houve uma audiência expressiva durante a edição final do programa Master Chef, sendo maior ainda, dias antes, a repercussão do fato de a ganhadora do concurso ter sofrido com atitudes machistas por parte de seus concorrentes.

Os episódios que reuniram essa falta de gentileza, para dizer o mínimo, foi protagonizado pelos dois outros fortes candidatos que com ela concorriam ao prêmio. O que me chamou a atenção nesse evento não foi propriamente esse fato lamentável, mas a maneira como cada um deles se portou diante da competição.

O mais velho deles, ex-patrão da vencedora do concurso, se mostrou visivelmente alguém com um nível de prepotência bastante destacado, haja vista seu desprezo que desmerecia aquela que havia sido um dia sua funcionária, se dizendo muito superior a ela, tratando-a como desqualificada. O mais novo, não sendo tão grotesco quanto o anterior, também atribuiu a ela inferioridade em relação a ele.

O destaque ficou por conta do comportamento da Deise, a vencedora do concurso. Humilde, relevava o tempo todo as atitudes ofensivas ou marcadas pela dureza da competição, comportando-se de maneira a permanecer concentrada no que estivesse fazendo.

Se ela foi ou não a melhor candidata, porquanto também se tornou polêmico o resultado da competição, o fato é que ela teve um comportamento digno de uma campeã, de alguém que se mostrou preparada, sobretudo para enfrentar de cabeça erguida as intempéries da vida.

E tudo isso, por quê? A resposta está no único fato que o mundo não tem o menor interesse em destacar como exemplo de alguém diferenciado. A exaltação a Deus esteve a todo momento em seus lábios. Ela se mostrou o reflexo do que estava cheio o seu coração. Ao vencer a prova, a palavra “Aleluia” foi pronunciada por diversas vezes, intercaladas por “Glórias a Deus” e “Obrigada, Senhor”.  Cumpre dizer também que em momento algum pisou em seus adversários, mesmo na condição de vencedora daqueles que a humilharam anteriormente.

Muitas são as frases que nos vêm à memória quando nos deparamos com situações como essas. Uma se destaca de imediato: a afirmada pelo Cristo quando disse que “qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado”.

Vencendo ou não as competições nesta vida, em diversas situações importa dizer que não convém nem mesmo competir com quem quer que seja, e se o fizer, que seja apenas consigo mesmo no sentido de calar o orgulho, a arrogância e a vaidade. De outra parte, convém viver pela promessa de vitória que há de se concretizar naquele que será o verdadeiro dia do pódio de nossas vidas: “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará”.

Sadi – O Peregrino da Palavra

Sady Folch# Posturas

Artigos Relacionados