Últimas Publicações

Re-resoluções

Quando progravámos uma mudança de casa, sempre que localizávamos alguma coisa que não estava legal na nossa vida, dizíamos que isso seria diferente quando nos mudássemos. Se estávamos saindo demais e ficando pouco tempo em família, esperávamos reverter o quadro na casa nova. Se estávamos sem condições de fazer exercícios físicos, idem, e isso acabou virando até mote de brincadeira. Mesmo para as coisas mais insolúveis, dizíamos: “tuuuuudo vai ser diferente na casa nova”. Felizmente algumas coisas realmente mudaram, mas acho que estávamos esperando demais dessa simples alteração geográfica.

De forma análoga, acredito que alguns estão aproveitando o período de festas para fazer balanços e tomaram resoluções para o ano novo. Espero que isso tenha acontecido e que entre as tais resoluções tenha entrado alguma ou algumas que dizem respeito à eternidade, ao que a gente faz com o nosso tempo e com o relacionamento mais importante de todos.

Mas você pode baixar as expectativas ao lembrar que resoluções de anos passados viraram fumaça. Ano novo, vida velha? Racionalizamos pensando que no frigir dos ovos a virada do ano não quer dizer nada, esse negócio é uma convenção, o tempo não precisa ser compartimentado dessa forma e, por conseguinte, resoluções de ano novo são bobagem.

Jesus contou sobre uma vinha que tinha uma figueira bem no meio. O dono da vinha apareceu, viu aquele trambolho e notou que figo que era bom, necas. Mandou o vinhateiro cortar fora, porque algo que recebe seus cuidados, ocupa espaço precioso e não dá frutos, deveria ser retirado. O vinhateiro, contudo, pede mais um ano. Durante este ano, ele vai cavar, adubar, regar e cuidar daquela figueira com o máximo zelo. Se, ao cabo deste ano, a figueira continuar improdutiva, vá lá, corte-se. Mas pede ao dono da vinha um ano mais.

Um ano mais, mas mais nada. Um ano, amigo, pode ser decisivo. Pode determinar o destino eterno da figueira que você é. Quem sabe, passadas duas semanas de novo ano, não seja o caso de reatar
resoluções e reafirmar decisões? Por que esperar alguma outra data significativa ou o próximo dezembro? Um ano pode ser decisivo, o próximo dezembro pode ser tarde demais, a atitude deve ser tomada agora!

Tome a decisão. Mas lembre-se: quem cava, aduba e rega é Ele, o Vinhateiro. Seu trabalho é não desprezar o trabalho dEle, é torná-lo produtivo. Seu trabalho é abrir a Bíblia diariamente e ler o
fertilíssimo adubo que Ele preparou pensando em você, é dedicar tempo a sorver o alimento que Ele manda em doses exatas e certeiras. É abrir os olhos e ouvidos para se tornar tudo aquilo que você pode ser. E acredite: o que aquela figueira pode ser vai muito, muito além do que ela imaginaria.

Marco Aurélio BrasilRe-resoluções

Artigos Relacionados