Últimas Publicações

# Responsabilidades

remarO que faz o homem desejar ensinar? A resposta parece óbvia quando pensamos em educação para o futuro. É isso mesmo. A educação. E ela começa em casa, com a educação dos filhos; sim, pois, a escola ensina conhecimentos gerais, mas a casa ensina a educação básica para a vida. Educação que servirá para o indivíduo saber se portar com respeito e de forma adulta em todas as relações que a vida o apresente, aprendendo, sobretudo, responsabilidades.

O escritor bíblico afirma que é preciso ensinar a criança no caminho que deve andar e quando se tornar adulto não se desviará dele. Sim, mas, pergunte-se, afinal: por que não raro encontramos pessoas que desviam do comportamento que receberam, sendo responsável pelo desequilíbrio.

A resposta está nos detalhes e o tema é complexo, afinal existem muitas variáveis para o assunto, mas, em geral, os detalhes sejam eles quais forem – pais que não exercem autoridade ou filhos que se rebelam – começam com pequenas permissões, com pequenos gestos. Quando se percebe, um hábito nocivo regerá o comportamento.

Pais que não se atentam a detalhes na educação de seus filhos, um dia verão o remo da canoa escapar de suas mãos, ou mesmo das de seus próprios filhos, e o equilíbrio passa a ser na base da readequação do corpo (na verdade, da mente) para que a canoa não vire na correnteza. Na verdade, é só uma questão de tempo, pois tentar adequar o desequilíbrio dessa forma é permitir que os novos erros possam surgir.

Casos extremos exigem medidas extremas. Deve-se buscar a margem, não para abandonar o filho rebelde, mas para retomar a navegação apenas quando todos puderem entender que devem remar juntos, do contrário, cada um remará para um lado, e na melhor das hipóteses a correnteza é que irá dar o rumo dos acontecimentos. E convém lembrar que os pais são os capitães dos barcos, sim, pois, não se deve esquecer que Deus está no comando de tudo, mas o controle está entregue em nas nossas mãos.

Amor como forma básica do respeito que se ensina a um filho é fundamental na educação, mas isso não significa passar a mão na cabeça. Pais que fecham os olhos para a grosseria de um filho, quando acordarem, habitarão com um tirano dentro de sua casa, mandando-os calar a boca quando ouvem a mínima repreensão.

Viver a vida inteira permitindo um filho incorrer em erros é viver debaixo de emoções e conceitos distorcidos. É não se permitir vivenciar o seu próprio caminho que se dirige à velhice. É anular-se como pessoa. É continuar a alimentá-lo com leite, enquanto já deveria há muito se sustentar com alimento sólido. É se esquecer de que um dia será cobrado por isso.

O Eterno é hábil educador e fiel perdoador, mas, um dia, assim como os olhos dos pais se fecharão, também se fechará a porta da graça, e aí, pergunto: o que será dos filhos que ficaram? Pense este texto também como você na pessoa de um filho em relação ao Pai Eterno. Reflita.

Feliz sábado da parte do peregrino da palavra.

 

Sady Folch# Responsabilidades

Artigos Relacionados