Publicações com Confiança

Derrota para o Everest

1951, Edmund Percival Hillary fracassa por completo em sua tentativa de escalada do Everest, mesmo assim, os ingleses o convidam para ser fosse homenageado. Durante o evento ele discursa, fazendo um relato do que havia enfrentado pelo caminho, em certo ponto, larga o microfone, dirige-se para a enorme figura que retratava seu percurso na montanha, e diz em tom solene: – Monte Everest, você me venceu esta primeira vez. Mas eu irei vencê-lo no próximo ano, por uma razão bem simples: você já chegou ao máximo de sua altura, enquanto eu ainda estou crescendo!

hillary-edmund-norgay-tenzingEm 29 de maio de 1953, Hillary, e seu ajudante Tenzing Norgay, foram os primeiros homens a atingir o cume do Everest (8848m) e retornar para contar a história.

Ao longo de nossa vida nos deparamos com problemas que nos torturam, nos massacram e, até nos deixam prostrados por muito tempo. São coisas que quase nos fazem perder a esperança de uma solução favorável. Mas, assim como foi o Everest para Hillary, eles devem ser para nós, um desafio a ser vencido, um alvo a ser perseguido, um objetivo a ser alcançado.

Tivesse Hillary se desanimado e caísse prostrado, lamentando sua triste sorte, não teria chegado ao cume do Everest, mas, ao contrário disto, levantou a cabeça, se preparou e iniciou a jornada de subida novamente, para se deter apenas no cume da montanha.

Na vida cristã devemos fazer o mesmo, não ficar pensando nas quedas e nas derrotas, pelo contrário, elas devem servir como lição para a próxima tentativa, uma hora conseguiremos a vitória. Como filho do Pai celeste você tem duas certezas, a de que enfrentará aflições (João 16:33) e a de que Ele sempre estará ao seu lado onde quer que você vá. Não tema, não desanime, porque o Senhor Deus estará com você, onde quer que estiver (Josué 1:9).

Gelson De Almeida Jr.Derrota para o Everest
leia mais

Faça-se a Tua Vontade

vontade-de-deus textoÉ interessante a ilustração da vendedora que diariamente ia de casa em casa oferecendo suas vasilhas de alumínio. Cada vez que chegava a um cruzamento ela parava, tirava um lenço da cabeça e o atirava ao vento. Seguia sempre a direção onde o vento lançava o lenço. Certo dia, porém, alguém, vendo-a repetir o gesto diversas vezes, perguntou à mulher porque fazia aquilo e ela respondeu: “Estou fazendo isso porque todas as vezes que atiro o lenço ele cai indicando que devo ir para a esquerda, acontece que quero ir para a direita. Vou jogar o lenço ao vento até que ele mude de direção e o lenço caia indicando que devo ir para a direita”.

Por mais absurda que pareça, a atitude da mulher é parecida com a de alguns ao pedirem ajuda ao Eterno, dizem: “Faça-se a Tua vontade”, mas querem que a vontade dEle seja a mesma que a sua. Assim como Balaão, que a cada negativa do Eterno para que acompanhasse os mensageiros de Balaque, perguntava novamente se deveria ir, insistem com o Eterno para que mostre Sua vontade, quando, em verdade, não tem a menor intenção de segui-la.

Pedem, pedem e pedem para que o Pai que cumpra Sua vontade na vida deles, mas, quanto mais Ele tenta fazer isso mais continuam a pedir, em realidade, não querem andar no caminho do Pai, querem que o Pai ande no caminho deles. Ao invés de se amoldarem aos desígnios do Eterno, querem que Ele se amolde à sua vida. Pior ainda, quando tudo dá errado culpam a Deus pelo fracasso.

De nada adianta pedir ajuda ao Eterno para que mostre Sua vontade se não desejamos verdadeiramente obedecer-Lhe. Confiar, crer, pedir, ouvir e acatar seja talvez a postura mais correta ao pedirmos ajuda ao Pai. Você não é obrigado a gostar da Sua vontade, mas, com certeza, se quiser ser bem sucedido em tudo o que fizer deverá sempre seguir o que Ele indicar.

Gelson De Almeida Jr.Faça-se a Tua Vontade
leia mais

Isto sim é confiança

Vem de Tahuape, Nova Zelândia a história da jovem que, numa manhã fria, cinzenta e chuvosa se dirigia apressadamente para pegar o ônibus, se o perdesse chegaria atrasada no trabalho. Eis que um desconhecido dela se aproximou pedindo dinheiro para comer algo, num impulso de muita bondade ela parou, apontou para sua casa e disse:

– Moro naquela casa que se vê lá. No refrigerador está o que sobrou de um leitão assado com batatas. Aqui está a chave. Vá e coma. Quando sair, deixe a chave debaixo do tapete, no corredor da entrada”.

Durante o percurso de ônibus uma ideia a assolou: “Não havia mulher mais estúpida no mundo”, mas deixou esses pensamentos de lado com a convicção de que as pessoas reagem de forma nobre diante de atos de confiança.

Apreensiva chegou em casa, a chave estava debaixo do tapete. Quando abriu a porta viu uma cena que nunca imaginara, tudo estava em seu devido lugar, com uma diferença apenas, a casa estava mais limpa que nunca, até as vidraças haviam sido lavadas. No refrigerador encontrou um bilhete, escrito em letras grosseiras o seguinte: “Prezada senhorita. Talvez você não consiga compreender nunca o bem tão grande que me fez. Faz alguns dias que sai da penitenciária. Estou livre sob palavra. Francamente, foram para mim muito duros estes dias. Porém você me deu o estímulo que me faltava. Um milhão de graças”.

confiançaFazendo uma analogia, poderíamos trocar os dois personagens da história pelo Pai e nós. Presos pelo pecado, estávamos condenados à perdição eterna, sem a menor esperança de salvação. Em todo o Universo apenas Ele confiou em nós e nos deu uma nova oportunidade. O Filho morreu em nosso lugar e nos fez acreditar que ainda existe esperança para nós, trocou nossa perdição pela salvação.

Quando estávamos perdidos Ele saiu a nos buscar, quando estávamos feridos nos curou, quando estávamos desamparados nos tomou em Seus braços de amor, quando estávamos mortos nos reviveu. Se podemos andar de cabeça erguida, se podemos sonhar com a salvação é porque Ele confia em nós e através da morte do Filho deu-nos a chave de Sua casa. Qual é a sua reposta a tão nobre gesto?

Gelson De Almeida Jr.Isto sim é confiança
leia mais

Pra quem passa por tempestades

“E abriu-lhe Deus os olhos, e ela viu um poço; e foi encher de água o odre e deu de beber ao menino” (Gênesis 21:19.).

Hagar estava no deserto com seu filhinho, completamente desesperançada. Deixou o menino ao lado de um arbusto e andou alguns passos para não ver o filho morrendo. Foi aí que levantou os olhos e viu o poço e não morreu.

A solução do problema que para ela parecia insolúvel estava lá o tempo todo. Deus não precisou cavar um poço, Ele já o tinha cavado muito tempo antes. Quando Ele agiu, foi no olho dela, era ali que estava o problema de fato. E agindo ali, houve salvação.

Infelizmente há muita gente que sangra as mãos cavando poços no deserto ao invés de deixar que Deus lhes abra os olhos para ver as fontes jorrando ao seu alcance. Dói e é ridíciulo cavar poços a alguns metros de poços abertos. A dificuldade para Ele, que tudo pode, não é cavar poços para nós. Isso Ele já fez muito antes de
sentirmos sede. A dificuldade é confiarmos nossos olhos a Ele, deixando que sejam abertos. Isso parece fácil demais, atenta contra nossa inteligência. Queremos coisas complexas, soluções custosas.trust

Jesus disse, através de uma pequena parábola, que uma coisa seria certa na nossa vida: passaríamos por desertos. No caso da parábola, passaríamos por tempestades. Conforme a bonita ilustração que Ele deu, o certo não seria não cavar, mas justamente o oposto, cavar, mas cavar sobre o solo correto, que é a rocha. Se sangrarmos as mãos cavando fundo na rocha, a tempestade vai vir cruel igual, mas a casa continua de pé!

A rocha é Ele, Jesus. Cavar nEle é passar tempo ao Seu lado, não se conformar com um relacionamento superficial, não se conformar jamais com o grau de intimidade desenvolvido até ali com Ele. Aí vem a
tempestade e você não precisa correr tentando segurar paredes prestes a cair. Não precisa correr tentando fazer muros de arrimo, tentando bombear água que entra sem parar. Na hora da tempestade, na hora do deserto, você descansa. A salvação está conseguida, já. Porque passou tempo com Ele, aprendeu que Ele é plenamente confiável.

Se você não vive dias de tempestade, cave na rocha hoje. Para que no tempo do deserto tua primeira reação seja levantar os olhos na certeza de encontrar poços abundantes para saciar-lhe a sede. Se você vive dias de deserto, cave na rocha, levante os olhos, e viva!

Marco Aurélio BrasilPra quem passa por tempestades
leia mais

Sob tua palavra

“(…) sob tua palavra lançarei as redes”. Lucas 5:5

 

lançando redeApós uma noite inteira pescando Pedro e seus sócios saíram do mar e foram lavar as redes. Eis que o Mestre se aproxima e pede a Pedro “coloque barco novamente na água”, Pedro obedeceu.  Maravilhado ouviu-O falar à multidão que se ajuntara na praia. Em seguida Ele manda que Pedro vá, mar adentro, e lance as redes para pescar. Pedro diz que fizera isso a noite toda, mas sob a palavra dEle o faria novamente. O resultado não poderia ser melhor, foram tantos peixes que teve que pedir ajuda para levá-los à praia.

Pedro tinha argumentos muito bons para não fazer o que o Mestre pedia, estava exausto e navegar novamente seria difícil, estava frustrado por não pegar um único peixe e o que mais queria era sair dali, o mar não lhe trazia boas recordações, além do mais, o barco já estava devidamente ancorado. Qualquer um desses argumentos seria altamente justificável, mas não se diz “não” a um pedido de Cristo. Sorte a dele ter obedecido, deu carona para o Mestre, ouviu bem de perto um sermão Seu e não só presenciou, mas participou de um milagre Seu.

Uma noite inteira de tentativas infrutíferas calaram Pedro, seu irmão e os seus sócios, conhecidos como “filhos do trovão”. Desanimados e desestimulados agora lavavam as redes. Como pescadores haviam atingido o ápice da frustração. O sentimento de incapacidade e inutilidade era visível. Mas, em seu momento de maior baixa o Mestre apareceu e mudou tudo.

Se você se sente como aqueles homens, sabe do seu potencial, mas passa por uma crise tão grande, que parece que, quanto mais tenta reverter o quadro, pior ficam as coisas, que olha para o túnel e não vê o seu final, não se desespere. Para aqueles homens Cristo foi a solução, para você não será diferente. Assim como apareceu-lhes no momento mais tenebroso e os ajudou fará o mesmo com você. Ele está ao seu lado, pronto a ajudar, sob Sua palavra milagres acontecerão, creia.

Gelson De Almeida Jr.Sob tua palavra
leia mais

Use toda a sua força

mao estendidaUm garoto tentava levantar uma sacola cujo peso era muito maior do que ele podia suportar. Ao seu lado, o pai, vendo que o filho não tinha forças para levantar sozinho todo aquele peso, estendendo a mão disse-lhe: “Use toda a sua força meu filho”. O garoto tentou, sem sucesso, mais algumas vezes e a cada tentativa frustrada o pai repetia o gesto e as palavras.

Desolado o garoto diz: “Não consigo pai”, o pai pede que o filho olhe para ele e, bem devagar, repete: Use… toda… a… sua… força… meu filho”, só nesse momento é que o filho vê a mão do pai estendida para lhe ajudar. Finalmente o pequeno entendeu que quando o pai lhe dizia para usar toda a sua força também se referia à sua. Ele o ajudaria a carregar a sacola.

Muitas vezes somos como o garoto, enfrentamos situações que estão além de nossas forças, vemos que não conseguimos carregar o fardo, mas insistimos em fazê-lo, buscamos o Pai e Ele nos diz para usar toda a força, ao invés de olhar para Ele, continuamos a olhar para baixo, até buscamos ajuda, mas com quem não pode nos ajudar de verdade. O resultado não pode ser outro senão derrotas e frustrações. Reclamamos do Pai, perdemos a esperança e desistimos, tudo porque não olhamos para Ele quando nos fala.

Todos os dias o Pai está ao nosso lado (Mateus 28:20) e nunca deixa de ajudar um filho que O busque (João 6:37), pois Ele é a nossa força, a nossa luz e a nossa salvação (Salmo 27:1,2). Quando o fardo for pesado demais para carregar use Sua força, deixe que Ele o ajude, troque de fardo com Ele, pois o Seu fardo é leve e suave (Mateus 11:28 – 30).

Gelson De Almeida Jr.Use toda a sua força
leia mais

Troca com troco

Permita-me compartilhar uma ilustração que li dias atrás. Uma garotinha que estava com a mãe em uma loja. Enquanto a mãe estava no Caixa viu, na vitrine, um lindo colar de pérolas brancas numa caixa cor de rosa. Eufórica disse à mãe que queria comprá-lo. As pérolas eram de plástico e o preço era de apenas $ 3,50. Percebendo seu grande interesse a mãe disse-lhe que poderia comprá-lo se juntasse dinheiro fazendo pequenas tarefas domésticas. Assim que chegou em casa a garota viu que tinha apenas 47 centavos em seu cofre.

Aquela foi uma noite diferente, a pequena ajudou nas tarefas, muito além do pedido, ou do que normalmente fazia. Nos dias seguintes ajudou a vizinha e quem mais precisasse. Sua avó lhe deu $ 2,00 e logo ela conseguiu comprar o colar. Amava-o tanto que o usava em todas as ocasiões.

O pai amoroso da menina todas as noites subia em seu quarto para lhe contar uma história antes que dormisse. Uma noite perguntou à filha se ela o amava, prontamente ela disse que o amava mais que tudo. Em seguida pediu o colar de pérolas de presente. Ela disse-lhe que pedisse tudo, menos o colar. Diversos dias o diálogo foi o mesmo e cada dia ela oferecia alguma coisa diferente.

Certa noite o pai viu sua filha triste e com lágrimas nos olhos. Perguntou-lhe a razão, sem dizer nada ela estendeu a mão e deu-lhe o colar. O pai pegou o colar com uma das mãos e com a outra tirou um pacote do bolso e entregou à filha. A garota não acreditou ao ver um colar de pérolas verdadeiras. Estivera em seu bolso desde o início, mas não poderia dar-lhe antes que abrisse mão do outro, de pérolas falsas.

mao divina estendidaDe modo parecido acontece conosco, o Pai tem “pérolas verdadeiras” para cada um de nós. Sendo um Pai de amor quer nos dar o melhor, mas precisa que primeiro nos livremos das “pérolas falsas”. Não importa do que precise se livrar, por melhor ou mais importante que seja o Pai tem algo muito superior para dar em troca. Apenas confie e entregue o que Ele pedir, será uma troca com troco, pois o que receberá em troca será maravilhoso e indescritível.

Gelson De Almeida Jr.Troca com troco
leia mais

A pergunta que realmente importa

“Elevo os meus olhos para os montes; de onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez o céus e a Terra” (Salmo 121:1 e 2). São palavras muito bonitinhas. Mas quando você olha para todos os lados e não há saída, quando você não tem para onde correr e se pega olhando para as montanhas distantes por absoluta falta de alternativa, elas se tornam reais para você.

“O Senhor é meu pastor, e nada me faltará” (Samo 23:1). A gente repete à exaustão (porque é bonitinho), mas quando tudo ameaça faltar, quando a conta não tem saldo, quando o armário não tem mais comida ou quando a conta do hospital está queimando sobre a mesa, isso se torna a tábua de salvação.Imagem1
“Eu, na verdade, sou pobre e necessitado, mas o Senhor cuida de mim” (Salmo 40:17). A gente sublinha isso na Bíblia quando lê pela primeira vez, porque é comovente a confiança do salmista, mas quando a gente se vê pobre e necessitado, não é a construção de palavras ou a experiência do outro que nos comove mais. É o espelho de nosso sentimento, e a vontade de ter uma confiança igual.
“Mil poderão cair ao teu lado, e dez mil à tua direita; mas tu não serás atingido” (Salmo 91:7). A gente repete esse verso desde pequeno como um mantra de pensamento positivo, mas quando você sente o tremor da bomba no chão ao seu lado, a fumaça arde nos seus olhos e os estilhaços perfuram sua pele, o que era um mantra se torna um clamor. E passa a ser seu de verdade.
E é precisamente nesses momentos, quando a confiança é requerida como uma experiência particular sua, e não a mera aquiescência intelectual pela vivência dos outros, que você cogita a hipótese de o pior acontecer. De o socorro não vir, de algo faltar, de o Senhor não cuidar de você, de você ser atingido. É nesses momentos que você se lembra das palavras de Jó (que foi atingido, que sentiu a falta e que foi esmagado pelo silêncio de Deus): “ainda que Ele me mate, nEle esperarei” (Jó 13:15).
É quando as promessas se tornam reais para você que os tambores estão rufando e a pergunta que realmente importa está sendo feita: para onde ele está olhando? Continuam seus olhos fixos em Deus, apesar dos pesares?
Eis, senhores, a pergunta de um milhão de dólares. Ou, melhor, a pergunta de uma eternidade.
Marco Aurélio BrasilA pergunta que realmente importa
leia mais

Corte a corda

corda cortadaGosto da ilustração do alpinista que resolveu escalar o pico mais alto de sua região, mas, desejoso que era de glória e reconhecimento pessoais, contrariando as regras mais básicas do alpinismo, fez a escalada sozinho. Na data escolhida iniciou a escalada. Quando a tarde chegou, e seria necessária uma pausa para acampar, foi que se deu conta de que não se preparara para isso. Resolveu continuar a escalada até o cume da montanha, mas a noite chegou rapidamente e ele não enxergava um palmo sequer à sua frente.

A poucos metros do cume seu pé resvala e ele desaba, caindo numa velocidade descomunal. Muito mais rápido que sua queda eram os pensamentos que passavam por sua mente. Quanta coisa fizera, mas quanto ainda queria fazer! Enquanto esses pensamentos povoavam sua mente sente um violento tranco, a corda se esticara toda e ele quase se partira em dois. Ficou preso no ar, os grampos que fixara e a corda impediram o desfecho trágico em sua queda. Em desespero grita:

– Oh meu Deus, me ajude.

– O que você quer de Mim, meu filho?

Em prantos ele pede para ser salvo.

A voz indaga: – Você acredita realmente que Eu posso lhe salvar?

– Sim Senhor, acredito.

– Então corte a corda que o mantém pendurado.

Após um silêncio devastador o homem se apegou mais fortemente à corda e não a soltou de modo algum.

Dias depois, foi encontrado congelado, morto, com as duas mãos segurando fortemente a corda, a apenas dois metros do chão.

O alpinista fez a escalada e deixou o Eterno de lado, mesmo assim, no momento de maior desespero, foi atendido. Disse que confiava, ouviu o que tinha que fazer, mas falhou na hora de mostrar confiança e obedecer. O resultado foi trágico, sua morte.

Acabamos de iniciar um novo ano. Infelizmente, virão as ocasiões em que você se verá em situação parecida com a do pobre alpinista. Não faça como ele que se apegou à corda e deixou de lado a voz de Deus. Ouça-O, e se Ele mandar cortar a corda faça-o sem pensar duas vezes, é uma questão de salvação.

Gelson De Almeida Jr.Corte a corda
leia mais

Quando os dias são maus

Quando os dias são maus, pisar a rua representa uma descarga de adrenalina. Os sentidos se aguçam, o medo, que estava agachado, se levanta. Quando os dias são maus você é obrigado a andar olhando tudo o que acontece ao redor, a encarar passantes, a manter os vidros fechados, a fechar as travas, o rosto e o coração.

Quando os dias são maus você não dorme totalmente em paz. Checa se todas as portas e janelas estão trancadas, acorda sobressaltado ao mínimo ruído.baddays5

Quando os dias são maus você desconfia de tudo e de todos, qualquer um pode estar te passando a perna e você fica com a sensação de que geralmente está mesmo.

Quando os dias são maus as contas não dão trégua embora as entradas estejam minguando e você não sabe como será o próximo mês e você não consegue, simplesmente não consegue deixar de andar ansioso quanto ao que haverá de comer ou de vestir.

Quando os dias são maus o emprego e o ofício não preenchem, fica faltando algo, e eles bambeiam, e você não tem segurança.

Quando os dias são maus – e eles são! – as notícias ruins se acumulam, os relacionamentos ficam doentes e alguns, muitas vezes os mais importantes, caem de podre, e você nem tem tempo de pensar de onde veio o disparo.

Quando os dias são maus os amigos estão sofrendo, seja porque a morte lhes bateu à porta mais cedo do que se podia esperar, seja porque os terremotos abalaram aquilo em que confiavam e de onde lhes vinha o consolo e o prazer. E você nem sabe o que dizer e você só pensa que o próximo pode ser você.

“Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensato, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus” (Efésios 5:15 e 16).

Porque os dias são maus é preciso sabedoria. Aproveitar ao máximo cada oportunidade para dizer que ama. Aproveitar ao máximo cada oportunidade para multiplicar a certeza de que um dia Jesus Cristo os fará bons. Aproveitar ao máximo a oportunidade de viver como quem sabe que, no relógio dEle, os dias maus estão com os dias contados.

Marco Aurélio BrasilQuando os dias são maus
leia mais