Publicações com Graça

# Vida

Há algumas semanas eu pedi à igreja que orasse por minha tia, pois ela estava com uma doença muito grave. O carinho e as orações vieram imediatamente. Falei com ela ao telefone e ouvi que daria a volta por cima, demonstrando grande alegria e força para viver.

A doença foi cruel. Levou-a antes mesmo que pudesse sair do hospital, deixando especialmente a seu marido com um sentimento de tristeza bastante difícil de ser vivenciado. A perda da esposa, companheira de toda vida até então. Ficamos nós, sua família, entristecidos e com um sentimento vazio bastante forte, ainda que certos que ela tenha descansado.

Digo vazio, pois é inexplicável a sensação que se tem quando se depara com o momento em que há a certeza de que não verá mais a pessoa; contudo, preenchidos e sustentados pela graça de Deus e pela Sua misericórdia, seguimos com esperança por conta da obra de redenção realizada pelo Messias e o momento da Sua volta; sabemos, inclusive, que naquele instante vindouro algo muito mais importante acontecerá no que se refere à vida e à morte.

Sim, pois todos nós poderemos nos encontrar novamente, contudo o importante desse reencontro residirá no fato se seguiremos juntos para a eternidade ou não. Portanto, ainda que seja muito difícil vivenciarmos a perda de um ente querido, se conhecermos as verdadeiras nuances da vida e da morte por meio do evangelho, vivemos e aguardamos nosso destino com a certeza da vida eterna e do reencontro de famílias inteiras, posto que aceitaram e viveram os mandamentos do Pai Eterno.

Paulo, o apóstolo dos gentios, dizia que morrer era lucro para ele, pois queria estar com Cristo. Sabia que ao acordar do sono da morte, por ocasião da segunda vinda de Yeshua, certamente O veria, pois vivia pelo e para o evangelho, a fim de ser conduzido à presença do Eterno para toda a eternidade.

Que assim seja com minha tia e com todos aqueles que um dia nos deixaram.

Shalom!

Sadi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Vida
leia mais

# Amor, o elo da perfeição

Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento”. Palavras de Jesus no evangelho de Mateus (9:13). Misericórdia aqui tem o significado de bondade, de boa vontade e de desejo em ajudar ao miserável, ao aflito. Foi para isso que Cristo veio ao mundo. Para sermos atendidos por Ele e, mediante Seu exemplo de amor, agirmos igualmente para com o próximo.

No texto de ontem, lancei a pergunta: O que fazer quando deparados com filhos rebeldes ao extremo, sem qualquer respeito pelos pais, por si mesmos e pela vida. Crivelmente, pois é Deus quem providencia tudo, o sermão da manhã deste sábado entregou a resposta. O amor de Deus a respondeu à igreja pela pregação do pastor Felipe.

Não posso prescindir desse maravilhoso sermão para aqui concluir. Portanto, que nos seja rememorado o que disse ao citar o novo mandamento dado por Cristo: “Amem-se uns aos outros, pois só assim serão reconhecidos como meus discípulos”. A prova maior a que somos submetidos, desde que ouvimos o chamado e o aceitamos, é exatamente sermos e agirmos como Jesus foi e agiu.

Como poderíamos, então, mesmo cansados, entristecidos, agredidos e ofendidos pelo filho difícil, mesmo já adulto, abrir mão dele? Afirmamos amá-lo e ao mesmo tempo o jogamos a este mundo perverso? Haveria a paz verdadeira nesse lar, mediante a ausência desse filho? Jamais.

O amor é o elo da perfeição, disse Paulo aos colossenses, advertindo-os que se revestissem de compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência, suportando a tudo e perdoando.

Portanto, agimos, isto sim, conforme o exemplo do homem que imitou a Cristo quando hospedou um usuário de drogas em sua casa e, esperando-o voltar durante a madrugada, dizia a ele: “Que bom que você voltou. Eu te amo”. E o amor de Cristo vivido por aquele discípulo, transformou a vida miserável, aflita. Foi essa atitude e não a que se reveste dos limites do mundo, a que, tal como Cristo, se entregou ao amor pelo próximo, aroma agradável a Deus, segundo a Palavra.

Pela miséria do pecado e pela aflição imposta neste mundo, somos atacados diariamente. No entanto, se de fato estamos transformados pela Palavra de Deus, é nela que encontramos a força para seguirmos, a alegria mesmo nas tribulações, a fé que move circunstâncias antes inacreditáveis e o amor que transforma vidas.

Como bem disse o pastor nesta manhã de sábado, inspirado na verdade do evangelho, “se Jesus não tivesse vivido o que viveu, não saberíamos o que seja amar alguém”, pois aquele exemplo de amor sofreu sem reclamar e ainda assim entregou-se por nós. Razão maior de nossa existência hoje. Vivermos pelo evangelho do amor, a fim de alcançarmos excelente testemunho diante de Deus e dos homens, para que um dia, aí sim, possamos viver em paz na eternidade.

Que tua semana seja repleta do amor de Deus, exemplo maior vivido por Cristo, sendo teus filhos abençoados por essa atitude.

Sadi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Amor, o elo da perfeição
leia mais

# Vontades e entregas

Uma das coisas que mais me impressionam na relação com Deus, é quando me deparo com providências que Ele nitidamente proporciona. Sabemos por tudo o que ouvimos e lemos que a vontade de Deus é que deve prevalecer e não a nossa.

Não é tão fácil à primeira vista compreender esta espera, esta decisão, mas se guardamos os mandamentos, permanecemos no Seu amor e, sendo este o que haverá de permanecer, tudo podemos naquele que nos fortalece.

Se estivermos nele, pedimos e recebemos. A força que precisamos virá dele; o bom combate será sustentado por Ele; o perdão ao que nos ofende, o amor e a oração a estes estendidas, são provas de que permanecemos debaixo da graça do Messias, do Leão de Judá.

Há ocasiões em que confesso, minha conversa com meu Pai se dá ao modelo de Gideão, pedindo por uma prova que demonstre certificar-me ser Sua vontade. Não é como devemos proceder. A falta de entrega completa é a certeza de estarmos em meio à fraqueza, ou pior, vivenciando a apostasia.

O que, de fato, é necessário, é agir pela fé. Conhecer a Nova Aliança e andar pela fé. Estabelecer intimidade com Deus e andar na Sua dependência, sendo obedientes em tudo. Mas, de que maneira identificamos essas situações, a fim de que não caiamos nos ardis do inimigo que se reveste até mesmo de anjo de luz?

Conhecendo a Palavra, especialmente nos aspectos que esclareçam o que traduz o conceito da vontade de Deus, qual seja ser boa, perfeita e agradável. Converse com o Criador, Salvador e Senhor de nossa vida, sorria, se entregue a Ele sem reservas e seja feliz, pois em tudo seremos fortalecidos.

Ótima semana a todos, pela graça de Deus.

Sadi Peregrino da Palavra

Sady Folch# Vontades e entregas
leia mais

# Dia do Perdão.

Nestes dois dias que marcam o final da semana, sexta e sábado, 13 e 14 de setembro, é a data do Yom Kippur.  Dia do perdão. Marcado por orações intensas e jejum, os judeus buscam mais do que simplesmente o perdão de Deus pelo arrependimento de seus pecados. Quanto a este, de fato, os leva de volta ao convívio com o Criador, contudo no Yom Kipur essa expiação transcende.

Não será apenas a punição a ser perdoada, mas, sobretudo as máculas causadas pelo erro, pelo pecado. Algumas poucas proibições marcam o comportamento requerido aos judeus. Elas têm o intuito de causar aflição ao corpo e ao espírito, consequentemente.

Há muitos sites judaicos que explicam muito melhor todo o significado do dia do perdão. A nós, cristãos que vivemos pela graça de Jesus Cristo, temos que, segundo a Palavra revelada na Primeira Carta do apóstolo João: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”. (1 João 1:91: 9).

É isso que nos importa saber e viver. Apenas se confessarmos os nossos pecados com o coração arrependido, conscientes de nossos erros, justificativas, artifícios, relativizações que não obedecem à prescrição evangélica, Ele, o Senhor de todas as coisas, perdoa-nos. E, o faz tanto de nossas punições, quanto de nossas máculas, se isso couber ao ensinamento e testemunho de sua Palavra.

Ao homem não importa viver, senão para testemunhar, para adorar ao Deus vivo. Viver não é preciso. Navegar é preciso. E, o rumo: Jesus Cristo – O caminho, a verdade e a vida. O apóstolo Paulo afirmou certa ocasião: O viver para mim é Cristo; morrer é lucro. (Filipenses 1). Ele não falava de morrer no sentido figurado, aonde temos que matar o velho homem, para que Deus forme em nós o novo. Queria, de fato, estar com Cristo naquele instante.

E, por fim, certo de que nada poderia fazer para que isso acontecesse naquele momento, a não ser aguardar o dia em que o Senhor o requeresse, demonstrou o resultado de um homem transformado por Cristo, pelo tanto que recebeu o perdão de Deus, ao dizer estas palavras, boas para seguir: “Convencido disso, eu sei que vou permanecer e continuar com todos vocês, para o seu progresso e alegria na fé”. (Filipenses 1:25).

Ou seja, entregou-se para o serviço completo na obra, sem pestanejar, ainda que viesse a sofrer, como diz ele nesse mesmo capítulo. Sua alegria era para com todos, não importasse se pessoa de comportamento extrovertido ou introvertido. Estamos todos necessitados de perdão. De uns para com os outros pelo que devemos viver transformados do velho para o novo homem. e, de todos nós para com o perdão de Deus, pois assim, mais ainda testemunhamos o novo nascimento.

Shabbat Shalom!

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Dia do Perdão.
leia mais

# Crescimento Espiritual

Ao assistir o sermão desta manhã na igreja adventista do sétimo dia, Nova Semente, aqui em São Paulo, vivenciei grande satisfação pelo que ouvi e meditei. Pais e filhos. Tantos outros sermões sobre este tema já foram pronunciados naquele local, todos sempre edificantes, mas quando percebi que minha meditação da manhã se unira a algo muito simples que o pastor dissera na palestra da tarde, foi que notei o quanto esse ministério tem edificado a minha vida. Por um instante, disse o pastor, espontaneamente, tomado de alegria: “A Palavra de Deus é maravilhosa!”.

Pergunto àqueles que há um tempo acompanham as manhãs e tardes de sábado na Nova Semente: Você já reparou como as pregações parecem crescer a cada semana? A certeza que me chega é que estou sendo sobremaneira alimentado e fortalecido, à medida que sou incentivado a viver o que ouço, ainda que pareça ser dura a exortação. Na verdade, você pode dizer que sempre soube disso, e que sou eu quem está, de fato, sendo transformado. Que assim seja, então, pela graça de Deus.

As igrejas cristãs estão cada vez mais espelhando-se no exemplo do mundo, ao seguirem com o escarnecimento da palavra de Deus, tanto mais quando se atêm ao relativismo no cumprimento dos mandamentos e à adaptação conveniente das promessas bíblicas. Se você prestar atenção ao sentido das palestras e dos cultos na Nova Semente, irá perceber como tem sido dirigida pelo Espírito Santo, a revelar-nos a verdade que nem sempre pode agradar em um primeiro momento, mas, se vivenciada, nos desperta para o amadurecimento como nunca antes o experimentamos.

Mas, pensando um pouco, isso se justifica por um único motivo. Desde que iniciou o seu ministério no final do ano de 2005 (ali estou desde fevereiro de 2006) a Nova Semente se pauta pela dependência à palavra de Deus, onde o amor é o ponto central de toda a obra. E, acima de tudo, por ter se prestado a servir com responsabilidade quando procura ensinar àqueles, como você e eu, que tanto precisam conhecer a verdade sem fantasias, assim sendo, a resultar no crescimento espiritual daquele que ouve.

É, parece mesmo que sou eu quem está se entregando à dependência a que sempre fui chamado a viver. Mas, não resta dúvidas que há também um crescimento maravilhoso dentro do ministério. De certo por ser obediente.

A palavra ali pregada nem sempre é fácil, doce, mas em ponto algum deixará de nos cuidar com amor, como um pai que disciplina seu filho. Portanto, assim como esse ministério, dirigido por Deus e que a Ele obedece, e, se prestou a aprender, a ensinar e viver pela verdade, demonstrando ele próprio que só assim cresce a cada dia, que então possamos nós, imitarmos, obedecermos e vivermos esse mesmo comportamento, demonstrando o amor que há em nós pela palavra de Deus, que é boa, perfeita e agradável.

Para a honra e glória de Cristo, que durante toda tua semana, “as tuas coisas sejam feitas com esse amor”. (1 Coríntios 16:14)

Shalom Aleichem!

adi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Crescimento Espiritual
leia mais

# Aprendizado

A semana começa e as palavras do pastor ditas no sábado ainda ressoam na mente e no espírito. Em meio à meditação, as palavras seguem solidificando o entendimento. Esse processo traduz uma alegria contagiante. É a sensação maravilhosa de que algo esteja mudando dentro de nós. O indivíduo já não é mais o mesmo de antes. Sensações e certezas que o mundo não pode dar começam a tomar conta.

Contudo, é o fogo que, de fato, refina e torna possível solidificar os ensinamentos da boa nova. Sim, pois, no mundo não há como fugir das situações que confrontam os valores do reino de Deus. Cristo sabia disso e, por nossa segurança, orou ao Pai um pouco antes de ser condenado. Não há como servir a dois senhores, porém, a linha, inclusive, é mui tênue, pois, também temos que trabalhar e viver mediante as estruturas do mundo. As regras encontradas são de sua propriedade e dos seus idealizadores.

Mal começa a semana e eis que surgem, não raras vezes, situações que coloquem o homem em prova. Alguns transtornos parecem voltar. Os sonhos não se desenham como desejado. Há um desequilíbrio em pauta. Às vezes com a saúde, outras com os familiares, quando não se apresentam por ordem financeira, profissional ou nas diversas relações pessoais, que muitas vezes travamos conosco mesmo.

Àquele que meditou no primeiro, segundo dia, pensa apenas que não pode perder aquela alegria, ou que seja detentor de razões e, além disso, Deus é com ele, portanto, há de vencer. Estas últimas partes da conclusão podem, inclusive, serem muito perigosas, pois é um caminho farto para relativizar-se a essência do mandamento. Amar a Deus acima de todas as coisas, dependendo dele em tudo.

É o momento em que os planos de Deus entram em cena, aonde permissões, na medida da força de cada um, são concedidas para que lhe aumente, diminua ou mantenha-se a prova. E ao homem, resta-lhe vivenciá-la pela essência dos ensinamentos. A dependência da graça de Cristo e o reconhecimento da soberania da vontade do Eterno devem nortear todos os instantes, por mais duros e injustos que pareçam ser. Precisamos diminuir para que Cristo cresça em nós.

Os frutos do Espírito Santo são colocados à disposição daquele que crê e que busca, daquele que se entrega à leitura, compreensão e vivência diária do evangelho. Eles são fundamentais para essa transformação. Por meio deles, a vontade de Deus se revela pela sabedoria, e nada que aconteça se dá sem a permissão do Eterno, pois tudo coopera para o bem daquele que ama a Deus. O alvo não é este mundo, nem a perfeição dentro dele, mas a pátria celeste.

Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de Mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11:29-30).

E assim, depois de uma semana difícil, contudo entregue nas mãos de Deus, superamos as dificuldades, os conceitos que fazemos delas e, nos livramos de nós mesmos, quem mais atrapalha a vitória por achar que podemos dar conta sozinhos. Chegamos a mais um sábado com a certeza da alegria que viver pela dependência de Deus e Seu evangelho, seja tudo o que precisamos.

Shabbat Shalom!

Ṣadi Peregrino da Palavra 

Sady Folch# Aprendizado
leia mais

# Liberdade religiosa

Vivemos nas últimas décadas a conscientização de direitos individuais, sobretudo de direitos humanos. O texto deste sábado nasce muito mais do que simplesmente para tentar levar o leitor a essa reflexão. Surge para despertar para um caso concreto dentro de nossa própria igreja. Especialmente hoje, 27 de julho, todas as igrejas adventistas espalhadas pelo mundo se unem em oração pelo pastor Antonio Monteiro e pelo empresário Bruno Amah.

No dia de hoje, completa-se exatos 500 dias que estes homens estão presos em Togo, país localizado na África Ocidental, onde o sistema judiciário é precário. A acusação? Terem conspirado para o assassinato de pouco mais de dez mulheres, em prol de uma rede de tráfico de sangue. Seu acusador? O próprio assassino, um homem que havia trabalhado com o pastor os acusa da conspiração. Esse homem, que obviamente se encontra preso, posto que réu confesso dos homicídios, em suas declarações demostrou claras contradições quanto à acusação. Para que se tenha uma ideia, está comprovado ser ele portador de distúrbios mentais.

A causa foi apurada, porém a polícia nada encontrou que os ligassem aos homicídios ou ao tráfico. No entanto, desde março de 2012, o pastor e o empresário estão detidos. Ativistas de direitos humanos, advogados, diplomatas e a própria igreja adventista em Cabo Verde se mobilizam há meses para tentar a libertação de ambos. Milhares de pessoas, nesses meses todos, têm orado e jejuado pela integridade física desses homens. O diretor de Liberdade Religiosa da Igreja Adventista para o mundo, Dr. John Graz, indignado com o caso, manifestou-se como sendo absurda e inacreditável a acusação, que não os possibilita nem mesmo direito à fiança ou ao julgamento.

Por tudo isso, a igreja adventista mobilizou a criação de um site para colher assinaturas em uma petição, a fim de que seja levada ao presidente daquele país e, assim dar a justa solução que o caso merece. Vocês podem acessar o site e assinar a petição, clicando neste link e, para assistirem ao depoimento da família, um verdadeiro testemunho de amor à palavra de Cristo (ouçam o testemunho da filha, Andreia dos Anjos) podem clicar neste link para assistir ao vídeo.

É isso, prezado leitor. As escrituras revelam que perseguições como estas aconteceriam, especialmente aos que guardam o mandamento e a fé em Jesus. Hoje, 27 de julho, estamos todos unidos em oração por esses homens, que presos injustamente, continuam submetidos ao cárcere por acusação infundada e que, ainda assim se sustenta apenas pela condição de serem religiosos. Orem por eles, jejuem se assim puderem, compartilhem os links que aqui se encontram. E que Deus nos abençoe a todos, inclusive concedendo o perdão ao acusador que está preso. Amém.

Feliz Sábado, pastor Antonio Monteiro, Sr. Bruno Amah e digníssimas famílias.

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra. 

Sady Folch# Liberdade religiosa
leia mais

# O amor. A única verdade.

E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou”. (1 João 2:3-6).

Como devemos viver, senão revestidos e transformados por palavras como estas que compõem a nova aliança? Nelas há vida e, vida em abundância, especialmente para nos fortalecer diante dos momentos difíceis em que enfrentamos o desequilíbrio instalado no mundo. Não só no mundo, mas em nós mesmos que ainda fazemos parte de mundo.

Não há um homem sequer que, ao tomar conhecimento de forma correta da obra que está sendo realizada por Deus, efetivada em Cristo por meio da cruz e, sustentada pelo poder do Espírito Santo até que Jesus volte para completa-la, que possa ficar indiferente à verdade que há na verdade revelada, nos mandamentos.

Esta é a verdadeira transformação de que precisamos. Devemos deixar que o mandamento de amor tome conta de todas as situações de nossa vida. Difícil? Certamente não é fácil, contudo apenas no início, enquanto aprendemos a entregar-nos, pois conscientes da obra de redenção que está sendo realizada, não restará nada para nos manter ligados à antiga forma de viver e conhecer os fatos.

A vida que reveste o mundo não é perfeita. Nós não somos perfeitos. Contudo, somos todos sustentados pelo poder de Deus, pois Sua vontade é soberana, boa, perfeita e agradável. Ela está revelada por meio das escrituras. Se vivemos por ela, pela graça que nos alcançou por meio da cruz, alimentados pela revelação da palavra, pela oração e pela prática do exemplo de Cristo que nos foi ensinado, seremos transformados diariamente e, nossa vida haverá de alcançar um corpo incorruptível, onde dor e tristeza cessarão; egoísmo e orgulho não mais existirão; e, só haverá o amor.

Acredite, sua vida será outra no momento em que se entregar à verdade. A verdade o libertará. Do mundo e de si mesmo. A palavra de Deus é a verdade. Medite nela, ame incondicionalmente e, seja feliz.

Shabbat Shalom

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra.

 

Sady Folch# O amor. A única verdade.
leia mais

# A cada Pôr de Sol

Os passos de um homem bom são confirmados pelo SENHOR, e deleita-se no seu caminho. Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o SENHOR o sustém com a sua mão. (Salmo 37).

Imagine que o Eterno, perfeito como não podemos imaginar, pois sua perfeição passa pelo amor, característica esta também difícil de alcançarmos o entendimento, pois somos criaturas egoístas, imperfeitas e pecadoras, mas, enfim, este Ser que um dia nos criou perfeitos, ainda consiga nos amar mesmo diante de nossa pequenez.

Por que isso acontece? Porque Ele nos deu seus mandamentos, suas leis e, depois o Messias que viria a selar toda a promessa de que falavam a lei, os profetas e os salmistas, para que guardássemos os mandamentos e a fé no Messias, pois desde o início havia um plano de resgatar-nos do chão de onde nos encontrávamos. Agora vivemos o tempo do fim. Resta-nos aguardar com fé a volta de seu Filho que virá a resgatar os justos que viveram pela fé.

O homem, o fiel, o cristão, o discípulo, seja o nome que tome, que aprendeu a seguir o Caminho mediante a lei, os evangelhos, as cartas do apóstolo Paulo, Pedro, Tiago, Judas, João e, o Livro da Revelação de Yeshua, mais conhecido por Livro do Apocalipse e guarda os mandamentos e a fé em no Filho de D’us e aprendeu ser um bom homem, corrigindo-se todos os dias de sua herança pecaminosa, esse é por quem deleita-se o SENHOR e a quem Ele estende Sua mão, independente se o homem a peça por ela.

O fato é que O Eterno, por um amor que ainda não entendemos, estendeu Sua mão a sua criatura para levantá-la do chão, um pouco depois do início da criação de tudo, quando a humanidade se viu corrompida pela mal; e o fez para que a redimisse do erro cometido pela desobediência, quando sua criatura preferiu dar ouvidos às curiosidades da imperfeição, representada pelos argumentos mundanos daquele que luta para destruir tudo o que é de D’us.

Este amor é um fato profundo e misterioso que merece muita meditação, leitura e oração que levará o homem a conhecer um pouco deste mistério, sendo sua consequência, se este estiver de coração aberto, sua entrega total aos caminhos do SENHOR, contudo só mesmo no final dos tempos, quando o SENHOR do chão levantar os Seus pela última vez, entenda-se aqueles que O aceitaram e, os levar consigo, a esses revelará a essência de Seu amor.

Que a paz e graça de Yeshua, o Messias, e o Amor de D’us estejam com todos.

Shabbat Shalom

Ṣady – Um Peregrino da Palavra

 

Sady Folch# A cada Pôr de Sol
leia mais

# Vencedores

No texto deste sábado fiz alusão às pregações que nos levam a meditarmos sobre a fé que sustentou homens como Jó, José, Elias e Estevão entre tantos outros, mesmo no tempo da Nova Aliança, diante das dores, perseguições e humilhações a que foram submetidos em razão do seu amor a Deus.

Quero fazer justiça a dois personagens desse texto do sábado passado. Ao leitor e ao pregador. Acima de tudo, à Palavra Sagrada.

Quanto ao leitor, que pode ser o pregador também, quero dizer o óbvio. Problemas todos nós passamos. Não quero menosprezar a vida e nem os problemas de ninguém. Contudo, ao falar dos problemas naquele texto, me referia especialmente àqueles vividos no seu extremo, onde a fé é posta a prova de forma que quase nos leva à loucura. Aí reside toda a diferença que tornou a vida de Jó, José, Elias e tantos outros, marcos do cristianismo verdadeiro.

E quando digo problemas extremos, passo por aqueles que ainda estão sendo preparados pelo mundo para perseguirem os crentes, especialmente os que guardam os mandamentos e a fé no Messias.

Quanto aos pregadores do sermão acima mencionado, justiça seja feita, pois quando falam desse tipo de prova, estão a falar não apenas da fé daqueles homens, mas, todo o restante da pregação é dedicada a dizer sobre como se alimentar da fé, a como fortalecer-se com a fé, a como viver da fé, pois caso a cristão venha a ser confrontado, seja como for, possa, enfim, estar preparado.

Justiça seja feita aos pregadores, seus sermões têm como base a verdade e a experiência.

Falando em experiência, saímos das igrejas e as coisas acontecem. Acontecem no mundo, por que o mundo não para. O mundo não descansa e nem há de dar descanso a você. Ele o cercará de todas as maneiras. Seja para distraí-lo. Seja para atacá-lo, se assim o interessar. E muitas vezes somos seduzidos a deixarmos o nosso dever de casa espiritual para depois, a fim de dar uma passeada pelo mundo.

Mas, quando saímos das igrejas, também as coisas acontecem em nosso contexto espiritual, ou melhor, em nosso relacionamento com Deus, pois é o  momento para colocamos em prática, segundo a segundo, a pregação que ouvimos no sábado, os versos que estudamos na bíblia, e as interpretações que aprendemos no estudo bíblico. E isso é feito por meio da fé, pois “sem fé é impossível agradar a Deus“, nos diz a palavra da Nova Aliança. (Hebreus 11:6).

Enfim, amados do Pai que os chamou, justificou, por que antes os amou, essas palavras não são um enfeite de um livro de cabeceira.  Meditem nestas palavras: “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, o perigo? Está escrito: ‘Por amor de Ti somos entregues a morte todos os dias’. Mas em todas essas coisas somos mais do que vencedores”. (Romanos 8).

Shalom Aleichem!

Sady – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Vencedores
leia mais