Publicações com Obediência

O primeiro mandamento

Por que desobedecemos a Deus? O que está na origem da nossa incurável incapacidade de simplesmente obedecer?

A Bíblia nos apresenta alguns grandes axiomas: Deus é amor; Deus é Criador e Mantenedor; a raça humana virou as costas para Deus ao pecar; Deus entregou Seu filho para morrer pela raça humana, etc. Dito isso, ela passa então a nos dizer o que fazer a respeito. Ela mostra como isso impacta na nossa vida. Ao resumir essa parte da Bíblia, Jesus não precisou de muitas palavras: “Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.” (Mateus 22:37-40).

O primeiro mandamento é para amar a Deus. É curioso que ele seja um mandamento, algo que você precisa fazer independentemente de querer, porque amar é o tipo de coisa que costumamos enxergar como um sentimento, uma coisa que não passa pela nossa vontade. É algo que acontece. Uma paixão. E mais curioso ainda é que o primeiro mandamento seja amar quando lemos o mesmo Jesus afirmando que “Se me amais, guardareis os meus mandamentos.” (João 14:15). Ou seja, o amor vem antes da guarda dos mandamentos, mas o primeiro mandamento é justamente amar a Deus.

Bem, talvez nosso estranhamento dessa dinâmica venha do fato de que não entendemos o que é amor. Talvez o amor passe, sim, por uma decisão racional. Você decide amar. Você primeiro decide agir como quem já ama.

Isso explica porque tanta gente desobedece a Deus. Costumamos acreditar que a desobediência nasce de uma postura antagônica a Deus, uma atitude deliberada, mas talvez ela nasça mesmo do simples fato de que não amamos a Deus. Se você tem um chefe ausente, será tentado a não obedecê-lo em tudo. E fomos nós quem ausentamos a Deus de nossa vida. Desobedecemos a Deus porque não passamos tempo suficiente com Ele para respeitá-lO e amá-lO; não passamos tempo suficiente com Ele porque não decidimos fazer isso.

Quando você ama, é impossível não obedecer. Quando você obedece, é impossível não amar. Quando decidirmos que é hora de parar de brincar com a vida, vamos escolher passar tempo com Deus, abrindo Sua palavra diariamente e orando sem cessar. Isso nos levará a amá-lO com todo o coração, toda a alma e todo o entendimento. O resto simplesmente fluirá.

Marco Aurélio BrasilO primeiro mandamento
leia mais

Que tal um feriado na praia?

Obedecendo a uma ordem divina, Abrão saiu do meio de sua parentela, perambulou sem destino conhecido por centenas de quilômetros, durante vários anos. É fácil afirmar que ele fez a escolha certa, pois sabemos o final da história, mas não refletimos no que realmente implicava a sua decisão. Afinal, obedecer ao Eterno implicava em sair de um dos lugares mais prósperos da época, um lugar onde prosperidade, riqueza, conforto, respeito e status faziam parte de seu dia a dia. Mas ele nunca quis saber o que ganharia em largar tudo para trás, apenas obedeceu a uma ordem divina. Como recompensa, seu nome tornou-se conhecido e respeitado em várias nações, sua riqueza tornou-se muito maior que antes, recebeu o bem mais precioso que um pai poderia desejar na época, um filho, e, ainda de quebra, tornou-se o grande patriarca do “povo de Deus”.

Sequer podemos imaginar o que pode acontecer na vida dos que decidem fazer a vontade do Eterno. Comparando o que temos com aquilo que o Eterno nos quer dar, C. S. Lewis (O Peso da Glória) afirma que somos como um garoto de favela, que prefere fazer “bolinhos de barro” a passar um feriado na praia. Por não conseguir olhar além dos bolinhos, o garoto fica com eles. Criticamos o garoto, mas fazemos como ele, nos os contentamos com muito pouco, pois nossa curta visão de futuro nos impede de escolher coisas maiores.

Deixe de lado os bolinhos de barro e aceite a proposta do Eterno, com certeza será muito melhor que sua realidade atual.

Gelson De Almeida Jr.Que tal um feriado na praia?
leia mais