Publicações com Salvação

Multidão ou Discípulo

Vendo as multidões, Jesus subiu ao monte e se assentou. Seus discípulos aproximaram-se dele, e ele começou a ensiná-los, dizendo:” (Mateus 5:1 e 2).


 

Provavelmente você conhece o “sermão da montanha” (Mateus 5), proferido por Cristo no início de Seu ministério terrestre, considerado o maior e mais profundo conjunto de ensinamentos proferidos por Ele enquanto aqui esteve. Mateus afirma que  havia uma multidão, mas que o Mestre começou a falar assim que Seus discípulos se aproximaram dEle. Fica claro que os princípios expostos no sermão eram, a princípio, para os discípulos, não para a multidão. Por quê o sermão era para os discípulos e não para a multidão?

Uma análise atenta nos evangelhos mostra que sempre havia uma multidão perto do Mestre, inclusive em Seu julgamento, quando ela pediu Sua crucifixão. O termo multidão se aplica ao grande contingente de indivíduos que andava perto do Mestre, com pouco envolvimento em Seu trabalho e buscando, em sua grande maioria, as dádivas terrenas. Os que queriam aprender e tomar posse  do Reino a Bíblia chama de discípulos. Assim sendo fica mais fácil entender a razão de Mateus mostrar que os discípulos sentaram-se perto do Mestre, pois a multidão estava mais distante.

No final da adolescência e início da juventude assisti alguns jogos de futebol no estádio. Lembro-me que, na primeira vez, quando o jogo estava para acabar, olhei ao redor e vi aquela imensa massa de torcedores. Virei para meu amigo e falei de minha preocupação quanto à saída do estádio, disse-lhe que, pela quantidade de gente, enfrentaríamos muita confusão e demora para sair. Sem tirar os olhos do jogo ele apenas disse: “Não se preocupe, na hora da saída é só você ficar em pé que a multidão te leva para fora”. Multidão é isso, você faz parte dela, conhece pouco ou nada de quem está ao seu lado, não tem voz ativa nem vontade própria, sua vontade é a “vontade” da multidão.

Pertencer à multidão que está perto do Mestre é muito fácil, difícil é ser discípulo. Palavras chave para o discipulado são: paciência, envolvimento, desprendimento, dedicação, conhecimento, disposição, etc. Ser da multidão tem um custo muito pequeno, mas a recompensa é também pequena, quase nenhuma. Ser discípulo tem um alto custo, mas a recompensa é grande, é a vida eterna. Multidão ou discípulo, a escolha é sua.

Gelson De Almeida Jr.Multidão ou Discípulo
leia mais

O maior terremoto da História

No momento em que escrevo, passa de 4300 mortos, e de 8000 feridos, segundo dados oficiais, os atingidos pelo terremoto de sábado (25/04) no Nepal, o maior, ocorrido no país, nos últimos 81 anos. Comparado ao de Shensi, China (1556), com 830 mil mortos e os de Calcutá, Índia (1737) e Haiti (2010), ambos com 300 mil mortos ele apresenta um número muito ínfimo, mas pergunte àqueles que perderam um ente querido e ele dirá que este foi o mais devastador de todos os tempos.

Prestes a retornar aos Céus o Mestre ouviu Seus discípulos indagarem sobre os sinais que mostrariam a proximidade de Seu retorno à Terra. Ele afirmou que um dos sinais seria a ocorrência de terremotos. Pouco mais de 1000 anos após, ocorreu o primeiro terremoto registrado na História (Síria, 1138 d.C., com 230 mil mortos). Nós, brasileiros, somos abençoados por viver em uma área não sujeita a este tipo de tragédia, mas, nem por isto, devemos ficar sossegados, em breve ocorrerá o maior de todos os terremotos já registrados na História mundial. Antes que você me chame de alarmista ou falso profeta, peço que recorde este fato, predito pelo apóstolo João (Apocalipse 16:18 a 21). A Palavra de Deus não aponta o local onde ocorrerá, mas, independente de onde for, você poderá escapar. Como assim, não sei onde será, mas posso escapar?

Isso mesmo, estarão sujeitos, a esta grande catástrofe, os que voluntariamente escolherem viver em rebelião contra o Eterno e Seus princípios, isto é, ele não atingirá os que buscaram fazer a vontade do Pai, chamados, no livro do Apocalipse, de “salvos”. Se você, como eu, deseja estar a salvo nesse dia, que será de consequências terríveis, só tem uma saída, diariamente fazer o seu melhor para cumprir a vontade do Pai. É uma receita simples, mas que seguida à risca garantirá mais que a salvação nesse dia, garantirá a vida eterna. E então, vamos fugir do terremoto?

Gelson De Almeida Jr.O maior terremoto da História
leia mais

Ele aceitou o convite

Você sabe a relação que Jesus tinha com os fariseus. Eles viviam testando Jesus, conspirando contra Ele, tentando desacreditá-lO. Ele às vezes os chamava de coisas como raça de víboras, hipócritas sepulcros caiados.

Mas em Lucas 14 vemos Jesus comendo na casa de um dos “principais fariseus”.jesus entre pecadores

Por que Jesus estava lá? Bem, deve ter sido convidado, é evidente. E por que um fariseu convidaria Jesus?

Podemos especular. Nesse mesmo jantar vemos as pessoas disputando os melhores lugares à mesa, o que me dá a impressão de que convidavam Jesus ou faziam questão de aceitar o convite para o jantar em que Jesus estaria porque Ele era famoso. Vontade de aprender definitivamente não parece ser o motivo por trás daquela atitude. Talvez quisessem vigiá-lO ou conhecê-lO melhor para encontrar alguma fraqueza.

Não importa. O que realmente importa é que Jesus aceitava o convite.

Você pode ter se aproximado dEle pelos motivos errados também. Não importa. Ele aceitou o convite. E, na sua presença, Ele Se mostrou Jesus Cristo. Sua esperança é de que esse contato, ainda que pelos motivos errados, leve aos resultados certos. Arrependimento. Salvação. Louvor.

Marco Aurélio BrasilEle aceitou o convite
leia mais

Você, o que faria?

O samba enredo de uma agremiação que desfilou no Carnaval do Rio de Janeiro (2015) começa da seguinte maneira:
“Você, o que faria
se o mundo fosse acabar
e só lhe restasse este dia pra viver? (…)” (http://www.rio-carnival.net/carnaval/escola-de-samba/mocidade.php). Pergunta interessante e que leva a uma profunda reflexão.

Quando ouvi essa parte no noticiário fiquei a imaginar o que faria se hoje fosse meu último dia. Colocaria minha vida em ordem em tudo e com todos e acertaria as contas com o Pai, acredito que este seria o pensamento da grande maioria, como se o Pai fosse alguém  com quem se barganha ou a quem se engana com meia dúzia de boas ações. Infelizmente, como a grande maioria não acredita que hoje é seu último dia… NADA será feito agora.

O ato de adiar, deixar para depois, é conhecido como procrastinação, atitude comum àqueles que sempre deixam tudo para amanhã, inclusive as coisas relacionadas à salvação de sua alma. Nunca foi e nunca será saudável deixar para amanhã aquilo que temos condição de fazer hoje, agora. O que ou como eu faria se tivesse apenas o dia de hoje? Esta é a pergunta a ser feita em todos os momentos de nossa vida. Quanta dor e sofrimento seriam evitados se este fosse o pensamento que norteasse nossas ações!

Acredito, quase tenho a certeza, de que você não terá apenas o dia de hoje, mesmo assim peço-lhe que viva-o em toda a sua plenitude e potencialidade, como se amanhã não fosse existir. Planeje sua vida, pratique todo o bem que puder, sorria, abrace e ame da forma mais plena e desinteressada que for capaz, mas, acima de tudo, entregue-se nas mãos do Pai como se fosse sua última oportunidade de fazê-lo. Se você parou em algum degrau da vida cristã agora é o momento de prosseguir. Há algum pedido do Pai que você ainda não atendeu, agora é o momento de fazê-lo. Amanhã não, hoje é o dia, agora é o momento de aceitar Sua salvação (Hebreus 4:7).

Gelson De Almeida Jr.Você, o que faria?
leia mais

O jardineiro

Ontem, quando ia para o trabalho, vi um jardineiro podando a grama e os arbustos em frente a uma casa que estava vazia e para vender. Enquanto pensava na cena lembrei da parábola do servo bom e do servo mau (Mateus 24: 44 – 50). Cristo elogia o servo que, sem saber o dia do retorno do seu senhor, deixa tudo em ordem e diariamente cumpre com suas obrigações.

Obviamente o jardineiro cumpria ordens do proprietário que quer tudo em ordem para atrair a atenção de um comprador. Quer tudo em ordem, pois, por não saber quando surgirá o comprador, não quer ser pego de surpresa.

Se imaginarmos que o proprietário é o Pai, a casa o Reino dos Céus e você e eu somos o jardineiro, fica fácil entender a importância do jardim. Assim como a atratividade da casa começa pelo jardim a atratividade do Reino dos Céus começa por aquilo que fazemos diariamente. Nossas palavras, nossas ações, nossa postura, são o cartão de visitas do Eterno, pois, em grande medida, mostram aos outros se vale a pena ou não investir neste projeto chamado salvação. Assim como eu, mesmo sem ver, admirei o proprietário daquele imóvel, as pessoas precisam admirar o Pai e desejar o Seu Reino por aquilo que demonstramos, é o que chamamos de testemunho. Cristo disse que seríamos Suas testemunhas em todos os lugares (Atos 1:8), portanto, cuide do seu testemunho, afinal ele poderá atrair ou repelir pessoas para o Reino.

Gelson De Almeida Jr.O jardineiro
leia mais

Quanto vale uma vida?

No último domingo uma série de “estalos” chamou minha atenção, preocupado achei que não eram fogos de artifício, assim que saí de casa minhas suspeitas se confirmaram, uma jovem senhora estava estirada no chão. Fora alvejada com cinco tiros. Seu crime foi conversar com outras pessoas em frente ao portão de um vizinho, um senhor de oitenta e dois anos. Como não gostava de ninguém em frente à sua casa mandou que saíssem, como não foi atendido pegou sua arma e atirou. Desde que Caim matou seu irmão Abel, por adorar ao Eterno corretamente, a vida humana parece valer cada vez menos. Mata-se por qualquer bobagem. É a banalização da vida.

Confesso que várias vezes ao dia a cena de domingo me vem à mente, felizmente outra cena também é recorrente, a de um Homem pendurado numa cruz. Qual o seu crime? Amar demais. Não, você não leu errado, Ele morreu por amar demais você e eu. Não fosse esse amor uma sentença de morte eterna estaria decretada a cada ser humano, mas, ao vir a este mundo e, gratuitamente, dar Sua vida por nós herdamos a vida eterna (João 3:16; Romanos 6:23).

Quanto vale uma vida? Para meu vizinho ela não vale quase nada, mas para o Criador e Doador da vida ela vale muito. Para Ele qualquer sacrifício para que tivéssemos a certeza da salvação seria pouco, tamanho o Seu amor por nós. Repito e amplio a pergunta: Quanto vale uma vida, a sua vida eterna? Pense nisto e veja se o seu dia a dia mostra que realmente valoriza o Sacrifício feito no Calvário. Não mostre ao Eterno que você valoriza sua vida menos que Ele. Faça o Seu sacrifício valer a pena.

Gelson De Almeida Jr.Quanto vale uma vida?
leia mais

Chegou

Quem chegou? Às 23:29H do dia vinte e dois de setembro chegou a Primavera no hemisfério sul. A estação da magia, onde flores, cores, sons e aromas se reproduzem e se misturam numa intensidade jamais vista em outra época do ano. Não é apenas a Natureza que se veste de roupagem diferente, nós também usamos roupas com cores mais alegres e vibrantes, até nosso humor melhora. Enfim, tudo muda com a chegada da Primavera.

Para os que são afeitos à História é conhecido o termo “Primavera dos Povos”, nome dado ao conjunto de revoluções de caráter nacionalista, liberal, democrático e socialista  que assolou a Europa em meados do século XIX, mais recentemente ocorreu movimento semelhante em algumas nações árabes. Mas no plano religioso existe a Primavera? Segundo a profecia de Isaías (9:2 e 6) com a chegada do Messias uma luz brilharia sobre o povo que andava em trevas, fato confirmado por Mateus quando se refere ao início do ministério de Cristo (4:16). Até a chegada do Messias os seres humanos viviam apenas em expectativa e esperança, mas após Ele tudo mudou, não havia mais necessidade de temor ou desconfiança, luz, alegria, salvação, esperança eram palavras de ordem, o Salvador chegara e com ele o Reino dos Céus.

A verdadeira Primavera dos Povos começou com a vinda de Cristo a este mundo, mas ela não será de valor algum se Ele não nascer dentro de você e o Seu amor cultivado diariamente. O que você e seus atos dizem, é primavera ou não?

Gelson De Almeida Jr.Chegou
leia mais

Caminhos e escolhas

Às vezes olho para os lados e tenho a impressão de estar vivendo dias aterrorizantes. Não só pelo desrespeito do homem para com a palavra de Deus, mas também para com seu semelhante. Em algumas dessas ocasiões, confesso, sou tomado pela vontade de expressar as razões do julgamento daquilo que vejo, mas, por saber os rumos que tomam tal processo, prefiro calar-me, e o que prevalece é o sentimento de tristeza por ver tanta gente que se ache alguma coisa, não sendo nada, agindo com desrespeito pelos de sua família, que dirá para com desconhecidos. E o que me resta é interceder por eles, orando, pois a palavra profetizou a seu tempo que chegaria uma hora em que o amor esfriaria e a iniquidade se multiplicaria, tornando os homens indiferentes.

Não raro, quando estou diante dessas situações, me vem à mente as palavras do sacerdote desta comunidade no dia do meu batismo, me dizendo: “Mantenha os seus olhos em Cristo e deles não te desvies”.  É isso. Ainda que não haja a possibilidade de fechar os olhos e os ouvidos para o que se passa no mundo ou ao nosso redor, o que podemos e devemos fazer é manter o nosso foco em Jesus, em especial vivenciando essas circunstâncias tal como ele e os profetas antes dele o fizeram: não se misturando com os que são indiferentes ao mandamento, mas, ainda assim, amando-os por serem criaturas de Deus e, também não lhes dando a importância que achem que tenham, mas orando por eles. E, por estarem entregues à sorte do mundo, exatamente por isso é que devemos esclarecer-lhes o que diz a verdade. A mais do que isso, nada podemos fazer senão vier e testemunhar a palavra em nós.

Ao colocarmos Cristo como o Mestre da nossa nova existência, o nosso coração será guiado a buscar a compreensão da razão de sua vinda, qual seja tornarmo-nos novas criaturas para retornarmos ao convívio de Deus; Ele que revela a sabedoria retratada em provérbios 2, a qual somente por seu intermédio compreenderemos o temor do Senhor e acharemos o conhecimento de Deus, pois só assim nos manteremos firmes nos caminhos dos homens de bem e nas veredas dos justos, afinal estes habitarão a terra, mas os infiéis dela serão arrancados.

Shabbat Shalom

Um Peregrino da Palavra

Sady FolchCaminhos e escolhas
leia mais

Liga dos Campeões 2014 – 1ª Parte

No último sábado (24/05) aconteceu a final da Liga dos Campeões, um dos mais badalados torneios de futebol do mundo. Pelo futebol que vinha apresentando, para muitos analistas, o Atlético de Madri era favorito ao título. E assim foi até os 90 minutos de jogo, mas, nos acréscimos, faltando dois minutos para o término da partida, quando a alegria era visível entre os jogadores do Atlético de Madri e sua torcida já comemorava, o Real Madri empatou e levou o jogo para a prorrogação, onde venceu e ficou com o título.

Falando sobre o seu retorno ao nosso planeta, Cristo disse que seriam salvos os que perseverassem até o fim (Mateus 24:13). Em outras palavras, fazer tudo certo na maior parte do tempo não é suficiente se quisermos a vitória, é fundamental cuidado e empenho o tempo todo. A mulher de Ló, achando estar fora de perigo, deu uma última olhada para as cidades de onde saíra e morreu instantaneamente. Uma “simples” olhadela e colocou tudo a perder. Fez exatamente o que o Eterno proibira e se deu mal.

Você quer tornar a salvação, graciosamente oferecida pelo Pai a todos os Seus filhos, uma realidade em sua vida, pois então não se descuide um minuto sequer. Em matéria de salvação não existe meio termo, não existe “jeitinho”, ou fazemos o nosso melhor até o fim ou a eternidade não passará de um sonho. Não comemore a vitória antes da hora, não permita que o excesso de confiança traga a derrota. Cuide, vigie, lute e trabalhe até o último minuto e os louros da vitória e a coroa da vida serão seus.

Gelson De Almeida Jr.Liga dos Campeões 2014 – 1ª Parte
leia mais