-

# A Compaixão pela Família Humana

Mateus ao nos apresentar a essência do ministério de Jesus – pregar o evangelho do reino aos cativos, e curar doentes e enfermos – afirmou que o Mestre ao se deparar com os aflitos sentiu por eles grande compaixão, pois estes andavam desgarrados e errantes como ovelhas que não têm pastor. Também por isto o Messias instruiu aos apóstolos que continuassem Sua missão, conscientes de que a seara é grande e necessitada de trabalhadores. (Mt. 9:36)

Ao andarmos pelas ruas de São Paulo é inevitável depararmo-nos com uma turba de homens e mulheres despedaçados por um extermínio velado, muitas vezes vítimas do álcool, das drogas e quase sempre do desprezo do sistema social, econômico, político e religioso. E em muitas dessas situações passamos ao largo, evitando-as; em outras agimos doando roupas e comida a quem esteja desnutrido e quase nu. Em meio a esse tempo falamos do amor de Cristo e de sua volta, buscando confortar o coração da família humana com o melhor dos alimentos. Mas somos poucos, e precisamos unir os melhores profissionais para de fato engendrar uma mudança radical.

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!

Eles precisam da nossa união. Até quando iremos culpar as autoridades, o sistema ou o nosso tempo escasso para não estendermos as mãos dia após dias a esses pequeninos, como se referiu Cristo a eles, dizendo: Se a um desses pequeninos ajudastes, foi a mim que fizestes. (Mt. 25:40)

O apóstolo Tiago certa feita ao pregar sobre a fé unida às obras, disse o seguinte: “E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? (Tiago 2:15-16). Que fé é esta sem obras?

Ellen White, movida pelo espírito de profecia, cheia de compaixão escreveu – “Foi-me apresentada a condição de fraqueza atual da família humana. Milhares de pobres mortais de corpos deformados, doentios, nervos em frangalhos e mente cheia de sombras, vão arrastando uma existência miserável. Cresce o poder de Satanás sobre a família humana.” (Conselhos sobre a saúde, p.18).

Hoje, mesmo vivendo em meio a um tempo de conceitos democráticos, direitos humanos, movimentação de bilhões de dólares pelas nações e alimento o bastante para contrariar a teoria de Maltus, o mundo, incluindo aí a maioria dos religiosos, ainda fecha os olhos para os aflitos, encontrando sempre uma resposta boa o bastante para se eximir da responsabilidade, contudo esquecendo-se da advertência de Cristo quando disse:

Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, ele se assentará em seu trono na glória celestial. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes. E colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. “Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que foi preparado para vocês desde a criação do mundo. Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram‘.“Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’ – “O Rei responderá: ‘Digo a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’. Então ele dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Malditos, apartem-se de mim para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos. Pois eu tive fome, e vocês não me deram de comer; tive sede, e nada me deram para beber; fui estrangeiro, e vocês não me acolheram; necessitei de roupas, e vocês não me vestiram; estive enfermo e preso, e vocês não me visitaram‘. (Mateus 25-43)

Que a essência da comemoração do nascimento de Jesus, ocorrida há menos de um mês, continue a preencher os corações e mentes humanas, perdurando por todo o ano, e não apenas nas festas de fim de ano. Que a igreja se levante e unida disponibilize profissionais médicos que possam dar uma assistência preventiva, orientando casos mais sérios a serem tratados nos hospitais das igrejas, que alimentos sejam disponibilizados aos miseráveis por aqueles que têm muito pela graça de Deus, engenheiros possam traçar em reuniões com o poder público para que autorize na presença das direções mais expoentes da igreja, um serviço de reestruturação da habitação, ainda que por meio de convênios. Leva tempo, eu sei, mas para quem tem fé no Deus do impossível, avança em direção ao alvo verdadeiro da religião.

Perdoem-me se não lhes entrego um texto com palavras positivas, perfumadas, que poderia incentivar o início da sua semana, mas penso o seguinte, o que pode ser mais positivo do que nos juntarmos em oração todos os dias por essa gente, unindo-nos para ir ao seu encontro a fim de pregar a verdade do evangelho, dispondo um tempo de nossas vidas e lazer para visitar os doentes nos hospitais, os enfermos e famintos nas ruas, levando a eles, ao longo do ano, saúde, instruções cívicas e jurídicas, alimento corporal e espiritual.

Reflitam nessas palavras bíblicas acima destacadas. Projetos eficazes podem ser feitos, e como diz o ditado comum, “basta ter boa vontade”, em especial em uma igreja abastada. No seio desta igreja tem obreiros como Ricardo Salomão que já deram esse tipo de exemplo no passado. Fui testemunha disso, participando com eles nesse projeto. Por que não darmos maior atenção ao ministério encabeçado pela Nani e pelo Fred junto à comunidade de Carapicuíba? Eles não apenas visitam essa gente no final do ano, mas ao longo dos meses estão sempre dando a atenção que necessitem.

É um propósito essencialmente cristão. Creio que agradaria a Deus sobremaneira, tornando-se de fato mais uma de nossas experiências reais com Deus, além de ser um testemunho transformador pela nova semente plantada diante desse mundo de igrejas que falam tanto do amor de Deus, mas pouco se veem seus pastores, obreiros e membros espalhados pelas ruas, em busca do resgate da família humana.

Pensem nisso, pois da mesma forma como fazem os obreiros acima citados, outros nesta igreja abençoada podem se levantar para montar um ministério com esse propósito. Eu me coloco à disposição para juntar-me ao grupo. Deus os abençoe e estejam todos na graça do Filho, no amor de Deus e na comunhão do Espírito Santo.

Shalom Aleichem

Sadi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# A Compaixão pela Família Humana

Artigos Relacionados