Últimas Publicações

Amanhã não, hoje.

Num ensolarado sábado, no início junho, fui à igreja, como de costume. O dia prometia. Durante o “Discipulado” (momento onde nos dividimos em pequenos grupos de estudo em nossa comunidade) percebi que uma jovem senhora visitava nosso grupo. Muito sorridente e simpática disse que era a sua primeira vez entre nós. Ao final, no momento em que os pedidos de oração eram externados ela pediu que orássemos por ela, pois se recuperava de uma cirurgia. Disse ainda que desejava voltar nos próximos sábados. Orei durante a semana e me perguntava se ela voltaria. No sábado, quando vi que ela não tinha vindo fiquei um pouco triste, mais ainda ao descobrir que o motivo era o seu estado de saúde. Aquele foi o primeiro dia em que começamos a nos falar via SMS, o que aconteceu com outros membros de nosso grupo. A doença fez com que voltasse para o hospital. Sábado passado (02/11), fez-se silêncio no grupo quando recebemos a triste notícia de que nossa amiga não resistira à insidiosa doença que a acometera.

Uma grande lição que tiramos deste episódio é a de que: Nunca, jamais devemos deixar para amanhã, o que podemos fazer hoje. Lembro-me que a cada sábado, ao encerrarmos as atividades do Discipulado, Isabel e Bernadeth se despediam de mim dizendo: Agora vamos fazer uma visita para a…, quando ela mostrou interesse em estudar a Palavra de Deus, Fábio e Tina estiveram com ela e se dispuseram a tal. Thais Helena não falhou uma semana sequer em falar-lhe ou trocar SMS, mas ficamos com aquele sentimento de que poderíamos ter feito algo mais, ter demonstrado mais o quanto a amávamos.

Uma das melhores sensações que o ser humano pode experimentar é a do “dever cumprido”. Como é gostoso sentir que fizemos o nosso melhor em alguma tarefa. O sábio Salomão aconselha que nos dediquemos a fazer o melhor em tudo (Eclesiastes 9:10). Você tem algo a fazer? Faça-o agora, e com muita paixão e alegria, amanhã pode ser muito tarde.

Gelson De Almeida Jr.Amanhã não, hoje.

Artigos Relacionados