Últimas Publicações

De quem é a culpa?

É muito comum, ao vermos alguém, com comportamento social altamente reprovável, tentarmos identificar a raiz do problema. Muito se discute acerca do verdadeiro papel do meio na formação do caráter/personalidade dos indivíduos. Existem os que afirmam que somos muito influenciados, até moldados, pelo meio onde estamos inseridos, ou fomos criados e os que não concordam com isso. Não sendo especialista no assunto, muito menos desejando discorrer sobre isso, farei apenas uma breve reflexão no campo espiritual.

Dias atrás recebi um post, via rede social que, comparando Adão X Cristo, dizia: “ Adão fracassou no Paraíso e Jesus venceu no deserto”. Por mais simplista, e até injusta, que possa parecer a comparação entre nós e Jesus, sabemos que uma das razões para Ele viver entre nós foi a de ser nosso exemplo de conduta. Isto deve fazer com que pensemos quais aspectos de nosso cotidiano podemos melhorar e chegar perto do ideal divino para Seus filhos.

O texto bíblico relata que Enoque, até sessenta e cinco anos de idade, viveu uma vida como qualquer ser humano, mas um dia resolveu andar nos caminhos do Eterno e assim o fez por trezentos anos e ele não foi mais achado entre os seus, pois Deus o arrebatou para si (Gênesis 5:24 – NIV). Enoque foi viver, fisicamente falando, ao lado de quem vivera trezentos anos, espiritualmente falando. Com certeza ele passou por muitas provas e tentações, mas não caiu, tinha um alvo, viver ao lado do Eterno. Muito antes do que imaginava ele conseguiu.

Muito mais que produtos do meio, somos produtos de nossas escolhas, tanto para Adão, como para Cristo, o meio não serviu como desculpa para suas escolhas. Enoque não se deixou influenciar pelo meio onde vivia, pois tinha um alvo e o perseguiu incessantemente. Seu alvo para essa vida envolve também a vida futura? Se sim, peça então ao Pai que o auxilie na caminhada, ande com Ele e, muito mais cedo que imagina, você O encontrará e viverá ao Seu lado, por toda a eternidade.

Gelson De Almeida Jr.De quem é a culpa?