-

Estar sempre triste é morrer aos poucos

A alegria faz bem à saúde; estar sempre triste é morrer aos poucos. Prov. 17: 22.

Eu sempre fui atraída pela beleza das bolhas de sabão. Aquelas que as crianças gostam de fazer. Admiro pela leveza contida nelas e por sua beleza caleidoscópica.

Filosofia é a arte de encontrar na simplicidade de uma brincadeira de criança um jeito novo de encantar-se com a vida. O monótono será sempre uma brincadeira de gente grande (adultos) que perdeu a criatividade e a poesia e já não consegue parar para o encanto da bolha de sabão. Outro dia vi um adulto chateado com a arte de uma criança que soltava bolha de sabão. Dizia que estava sendo molhado. Mas percebi também adultos brincando com a mesma chuva de bolha de sabão. Nesses momentos dá para perceber quem está amando e quem vive amargurado na vida!

Somos a geração bolha de sabão. Não pela leveza e nem por sua beleza caleidoscópica. Quem dera que fosse por isto! Somos bolhas de sabão pelo seu lado trágico. A bolha de sabão é formada pelo intenso vazio interior e pela incrível capacidade de explosão. Mergulhados num vazio crônico que nos agride e causa-nos perturbação. Existe em nós uma inquietação, desejos incontidos e insaciáveis. De homo sapiens (penso, logo existo) transformamo-nos em homo consumens (consumo, logo existo). Tudo se tornou alvo de consumo – de uso e abuso.
Geração bolha de sabão. Imensamente vazia e extremamente explosiva! Um simples toque é o suficiente para causar uma explosão de nervos, de temperamento e de egos.

É necessário e urgente recuperar a leveza e beleza da vida. Ser bolhas de sabão que se sabe efêmeras, mas se sabe, também, portadora da capacidade de voar? sem asas? e de refletir o colorido da vida pelo seu corpo. E resgatar, assim, a capacidade de sonhar em qualquer momento ou época. Aqueles que ainda não aprenderam a sonhar haverão de dormir depois de noites e noites de insônia.
Não importa que a bolha de sabão nasça para explodir no nada. Ela é lembrada pela leveza e beleza. Como dizia o filósofo e pedagogo Rubem Alves quando quis afirmar a força da vida: “A vida, pelo mundo todo, e a despeito da morte que vai comendo corpos, florestas, mares e rios, continua a se afirmar teimosamente como uma planta que nasce numa fenda de rocha”.
Se você nasceu entre fendas de rocha (lar sem amor e vida sem valor) ainda é possível viver o sorriso. O dom da vida é mais forte que a dureza das pedras do caminho. O sol vai nascer amanhã e você tem a capacidade de sorrir e jamais isto será tirado.

Na fragilidade de sua vida Deus fará da fraqueza a força, do choro o sorriso e da tempestade um raio de sol. E novamente uma criança soprará e bolhas de sabão se espalharão para todos os lados: é tempo de brincar novamente!

Tenha um lindo dia!

ComunicaçãoEstar sempre triste é morrer aos poucos

Artigos Relacionados