Publicações com Alegria

# A sabedoria da Palavra

Só mesmo a sabedoria da Palavra, que nos diz como posicionar as velas em proveito dos ventos, a fim de navegarmos com firmeza em meio às tempestades que nos golpeiam, tornar-nos-á reconhecidamente vencedores, fazendo-nos surgir incólumes pela transparência que nos permitirá navegar as águas tranquilas. 

Shabbat Shalom!

adi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# A sabedoria da Palavra
leia mais

# Construindo um novo homem

Estive ao longo desta semana meditando nas palavras do pastor Kleber que deram conteúdo ao  segundo episódio da série – Em Obras – no sábado à tarde. Dizia ele reproduzindo a sabedoria colhida dos frutos bíblicos: “Se você buscar por vitórias em sua existência mantenha sua vida baseada pela fé, e para tanto, viva com confiança; tenha uma atitude positiva; viva com coragem; viva mediante obediência a Deus”.  Isto trouxe a mim um ponto de vista diante da vida bastante esclarecedor, pelo tanto que se tornou renovador de meus pensamentos.

Uma irmã que é membro da Nova Semente, na manhã deste sábado testemunhou algo importante. Cremos muitas vezes que somos seguros de nós mesmos, mas há momentos em que a vida nos leva a provações onde corremos o risco de questionar a fé e mesmo perdê-la. Isso pode acontecer com um pastor, como disse ela ao ouvir um testemunho semelhante.

Acreditar na Palavra por ser a verdade, é no mínimo uma atitude sábia; Respeitar ao Espírito de Deus, demonstração de prudência; temer a Deus como o princípio da sabedoria, comprovação de que anda pelo caminho certo. No entanto, ainda assim, mesmo com o reconhecimento de todos estes bons testemunhos, podemos andar vacilantes pela vida, sem perceber que o frasco que contém o antídoto para uma vida de vitórias esteja presente em dois aspectos muito próximos de nós quando conhecemos a mensagem de salvação. O conhecimento prático da Palavra e a entrega total de nossa vida nas mãos de Deus.

Todos nós precisamos dessa dependência. Alguém pode achar que conhecendo a palavra profundamente, participando dos cultos, dizendo sábias palavras e se comportando exemplarmente em meio aos irmãos seja o bastante para transformar sua vida. E o é, se de fato entregar sua vida em dependência total a Deus.

Incertezas, medos, sentimento de inferioridade e pessimismo são produtos de uma vida que ainda não foi transformada, não se entregou ao novo nascimento, continua presa ao passado, aos falsos julgamentos que se lhe atribuíram em outros tempos, e pior, por pessoas que não conhecem o reino de Deus. Não temas, diz o Senhor. Não temas, o reafirma nosso Salvador Jesus Cristo. Não temas, repetem os pastores incansavelmente ao longo dos cultos, anos após anos.  O que falta a nós para que tenhamos o monte em nossas mãos?

A resposta tem sido dada há milênios desde que as escrituras começaram a ser escritas. Foi repetida há uma semana durante a série – Em Obras – pelo pastor. Olhar as coisas ao redor com fé.  Olhar o futuro com confiança, pois a fé gera a confiança. Ter uma atitude positiva, pois o Senhor é conosco e vai a nossa frente quando estamos com Ele. Viver com coragem para vencer, pois o Senhor nos garante – Não temas, Eu estou contigo. Se Deus é por nós quem será contra nós? E enfim, tudo isto só poderá acontecer mediante um novo nascimento, se obedecermos a Deus. Esse é o segredo. Obediência. Aí então podemos pedir: Senhor, dá-me este monte! E por maior e mais alto que seja, Ele o entregará em nossas mãos.

Shalom Aleichem!

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Construindo um novo homem
leia mais

#Adeus, mamãe…

“Não foi porque ela não quis mais, nem porque ela desistiu… Ela nunca desistiu de nada! “É que dentro de cada um de nós tem uma velinha acesa, e hoje Deus assoprou a velinha dela”, disse o seu médico.

3h da manhã, meu pai, “Lu, a mamãe não está bem. Ela está estranha”. Me levantei, suas mãozinhas estavam geladas, suas pernas, ela não abria os olhos. Chamamos o Samu e a enfermeira confirmou o nosso medo, a nossa expectativa, o momento que sabíamos que ia chegar, mas que verdadeiramente nunca esperamos que chegasse.

A velinha da mamãe se apagou.

Amanheceu, um dia lindo de domingo ensolarado. Deus nos dá presentes lindos até nos momentos mais difíceis. A dor parece algo que não vamos conseguir suportar. Mas Ele está ali. E ela continua ali.
Na nossa memória. O que ela deixou, foram só coisas boas. As dificuldades e os momentos ruins que vivemos deixam de existir, dando lugar a tudo o que ela nos ensinou.
Houve alguém tão especial como ela? Sim, meu pai. Mas este é outro capítulo, importantíssimo, mas outro capítulo da história. Hoje este capítulo é dela. Ela sorriu, chorou, ajudou, ensinou, acolheu, se desdobrou por ela mesma e por todos. Passeou, dançou, amou, festejou, foi amiga e confidente de tanta gente. Ela viveu. No sentido mais profundou da palavra. Ela viveu.
Ela ensinou com tudo o que tinha: paciência, resignação, dignidade, persistência, insistência, sabedoria. Sonhadora, amante da vida, uma mulher realizada pelo trabalho que fazia, pela família que edificara, pelo casamento que construíra.Nunca deixou de ser ela mesma. Às vezes tentava falar e não conseguia. Segurava tudo pelo bem de seu lar, pelo bem de seus relacionamentos, isso era o mais importante. Se calava. Silenciava. Às vezes chorava. Mas sempre, sempre, sempre sorria.Suas mãos fizeram verdadeira arquitetura nas roupas. Não era só uma costureira. Era modista. Era estilista. Noivas e madrinhas, senhoras e meninas, moças e crianças, homens e mulheres. Todos desfrutaram do trabalho amoroso de suas mãos. Todos desfrutaram, pouco que tenha sido, de sua companhia amiga e fiel.

O dia inteiro foi regado pelos raios de um sol forte e pelo calor. Mas no momento final, o céu chorou com a gente. A chuva trouxe o alívio pra sua dor, o alívio pra nossa dor. A despedida.

Minha mãezinha deixou sua marca em mim, no meu pai, no meu irmão, em suas irmãs, em seus irmãos, e em todos que um dia passaram diante dos seus olhos. Sua presença permanece através das histórias de amizade e solidariedade que permearam toda a sua vida. Permanece através das atitudes que repetimos, porque aprendemos serem boas.

Não existem super-heróis com poderes especiais. Mas existem pessoas especiais que são heróis e heroínas. Nessa história, meu pai é o herói, e minha mãe, a heroína.

Adeus, mamãe”.

Texto de Luciana Tavares em homenagem a Sueli Tavares, sua mãezinha…

“Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” Apocalipse 24:4

Adriano Vargas#Adeus, mamãe…
leia mais

Valsa Nossa de Cada Dia

“Um pra lá, dois pra cá”
——————————-

Você passa um tempão questionando porque Deus não lhe abençoa. Ora, jejua, tem comunhão e anseia por uma resposta que, aos seus olhos, demora uma eternidade para vir. Essa provação causa desgaste físico e emocional, chega a afetar o seu relacionamento com as pessoas que mais gosta. Mas, cada vez mais, você se apega a Deus e finalmente entende o que Ele queria lhe dizer todo este tempo, como você deve agir e o que é recomendável mudar. E “voilá”, eis que a resposta de Deus chega, a tão almejada bênção é concedida e um sentimento de felicidade completa é despertado. “Um pra lá…”

Ao conseguir essa bênção, do alto de sua alegria, você muda tudo para se adaptar a nova rotina. Inclusive, esquece de demonstrar gratidão e ter a sua comunhão diária com Aquele que lhe trata como um filho, justamente por ser seu Pai. Não bastasse isso, você sente que nada poderá impedi-lo, comete pecados que havia deixado para trás, nada poderá pará-lo porque sente que Deus está ao seu lado, que gosta de você e lhe concederá tudo o que quer, tornando-o soberbo e pretensioso. “… Dois pra cá”.

A idéia de compararmos nossa vida espiritual à uma valsa não é tão fantasiosa assim. Somos imaturos e acabamos tratando a Deus como um supermercado, onde os produtos que queremos devem estar sempre ao nosso alcance e se não estão, reclamamos da qualidade do atendimento. “Porque tendo conhecido a Deus… não lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis”.– Romanos 1:21

Os maiores heróis da Bíblia também dançaram esta mesma valsa: Moisés, Elias, Davi, Sansão, dentre outros, não ficaram imunes ao egoísmo, assim como nós também não estamos. Deus os amou mesmo assim, tal como Ele nos ama hoje. Que possamos ter a consciência de reconhecer as bênçãos de Deus e nos mantermos em constante gratidão: “Em tudo dai graças; porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” – 1 Tessalonicenses 5:18

ComunicaçãoValsa Nossa de Cada Dia
leia mais

Acabou a folia, e voce está alegre?

“Quarta feira de cinzas”, dia de reservado ao balanço dos alegres e festivos dias de Carnaval. Para uma imensa massa, principalmente em nosso país, o Carnaval é a festa máxima do ano, onde ocorre a liberação de quase tudo quanto é sentimento e desejo, é o momento onde tudo pode, tudo é válido. Como está seu “coração” agora que tudo acabou? Hoje é dia de se lamentar perdas como da vida, da inocência, da virgindade, do amor, do respeito, da liberdade e do casamento, só para citar algumas. É muita perda para tão pouco tempo.

Vendo imagens da apuração da agremiação campeã do Carnaval em São Paulo, vi cenas lamentáveis de vandalismo, desrespeito, selvageria, etc. Onde estava a tão apregoada paz e, mais ainda, a alegria que todos afirmam existir no Carnaval? A grande verdade é que nunca, jamais poderá haver verdadeira alegria e felicidade longe de Deus, se Deus não for o primeiro e a Sua vontade não for a nossa, a alegria será efêmera, passageira e, em muitos casos, com efeitos devastadores. Há muito que Davi afirmava que na presença do Eterno as alegrias e as delícias são permanentes (Salmo16:11).

É de autoria desconhecida a frase que diz que voce faz as suas escolhas e as suas escolhas fazem voce. Se voce tem coisas a lamentar hoje e, verdadeiramente está arrependido, lembre-se de duas grandes verdades, não importa qual tenha sido o seu erro, Deus o perdoará, mas Ele nunca irá livrá-lo das cicatrizes (consequências). Portanto, olhe para trás, veja onde tem errado, arrependa-se e siga em frente, certo de que se Deus estiver ao seu lado cada novo dia será de alegria verdadeira.

Gelson De Almeida Jr.Acabou a folia, e voce está alegre?
leia mais

Estar sempre triste é morrer aos poucos

A alegria faz bem à saúde; estar sempre triste é morrer aos poucos. Prov. 17: 22.

Eu sempre fui atraída pela beleza das bolhas de sabão. Aquelas que as crianças gostam de fazer. Admiro pela leveza contida nelas e por sua beleza caleidoscópica.

Filosofia é a arte de encontrar na simplicidade de uma brincadeira de criança um jeito novo de encantar-se com a vida. O monótono será sempre uma brincadeira de gente grande (adultos) que perdeu a criatividade e a poesia e já não consegue parar para o encanto da bolha de sabão. Outro dia vi um adulto chateado com a arte de uma criança que soltava bolha de sabão. Dizia que estava sendo molhado. Mas percebi também adultos brincando com a mesma chuva de bolha de sabão. Nesses momentos dá para perceber quem está amando e quem vive amargurado na vida!

Somos a geração bolha de sabão. Não pela leveza e nem por sua beleza caleidoscópica. Quem dera que fosse por isto! Somos bolhas de sabão pelo seu lado trágico. A bolha de sabão é formada pelo intenso vazio interior e pela incrível capacidade de explosão. Mergulhados num vazio crônico que nos agride e causa-nos perturbação. Existe em nós uma inquietação, desejos incontidos e insaciáveis. De homo sapiens (penso, logo existo) transformamo-nos em homo consumens (consumo, logo existo). Tudo se tornou alvo de consumo – de uso e abuso.
Geração bolha de sabão. Imensamente vazia e extremamente explosiva! Um simples toque é o suficiente para causar uma explosão de nervos, de temperamento e de egos.

É necessário e urgente recuperar a leveza e beleza da vida. Ser bolhas de sabão que se sabe efêmeras, mas se sabe, também, portadora da capacidade de voar? sem asas? e de refletir o colorido da vida pelo seu corpo. E resgatar, assim, a capacidade de sonhar em qualquer momento ou época. Aqueles que ainda não aprenderam a sonhar haverão de dormir depois de noites e noites de insônia.
Não importa que a bolha de sabão nasça para explodir no nada. Ela é lembrada pela leveza e beleza. Como dizia o filósofo e pedagogo Rubem Alves quando quis afirmar a força da vida: “A vida, pelo mundo todo, e a despeito da morte que vai comendo corpos, florestas, mares e rios, continua a se afirmar teimosamente como uma planta que nasce numa fenda de rocha”.
Se você nasceu entre fendas de rocha (lar sem amor e vida sem valor) ainda é possível viver o sorriso. O dom da vida é mais forte que a dureza das pedras do caminho. O sol vai nascer amanhã e você tem a capacidade de sorrir e jamais isto será tirado.

Na fragilidade de sua vida Deus fará da fraqueza a força, do choro o sorriso e da tempestade um raio de sol. E novamente uma criança soprará e bolhas de sabão se espalharão para todos os lados: é tempo de brincar novamente!

Tenha um lindo dia!

ComunicaçãoEstar sempre triste é morrer aos poucos
leia mais