Publicações com Liberdade

# Liberdade Absoluta

liberdadeO que é a ser livre, afinal? O que se pode dizer a respeito da liberdade absoluta? Vamos direto à realidade que conhecemos, chancelada pela Palavra. Diz o salmista que anda em liberdade aquele que busca os preceitos de Deus. O mundo, a seu turno, despreza-os e se sente verdadeiramente livre por fazer o que bem lhe apraz.

A primeira ideia que passa no pensamento de quem reflete a liberdade é o fato de não ser ou não estar prisioneiro de coisa alguma, especialmente sendo livre para ir e vir, tanto quanto pensar conforme seus próprios paradigmas.

Ok, então, pergunto: acaso não é livre o homem que, mesmo preso por algum crime, encontrou na cadeia a liberdade do viver em Cristo? Sim, pois, este homem é verdadeiramente livre. As paredes e as grades não lhe prendem realmente. E, ainda que tenha que morrer pelo crime que cometeu, como nos países que admitem essa hipótese, sustenta-se na fé e vive a sentença que afirma que o viver é Cristo, e o morrer, lucro, pois logo iria em direção ao seu salvador.

E, ainda: acaso goza de plena liberdade, e aqui falo de abundância de vida, o homem que despreza ou no mínimo desconhece o viver pelo Espírito? O dia em que o mundo experimentar o que seja de fato “o Senhor é o Espírito, e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade”, e saber que por isso somos transformados de glória em glória na mesma imagem, entenderá o que seja experimentar, de fato, a liberdade.

A verdadeira liberdade nos permite o apartar de qualquer coisa que se contraponha à Palavra, e assim nos separa para sermos livres sem ter a malícia como cobertura, como afirmou Pedro em sua carta. Ser livre é saber que temos alguém que deu sua vida por nós e esse contexto reserva toda a verdade da vida, passada, presente e futura, pois aquele que começou a obra é fiel para terminá-la.  Dessa forma, cento e vinte anos é tudo o que temos na carne, contudo para que se continue na eternidade.

Como poderia o mundo entender que ser livre significa viver orientado por mandamentos que nos pedem para morrer para os conceitos do mundo, e assim conhecermos o que seja viver em liberdade absoluta, obtendo abundância de vida?

Só poderão entender no momento em que dos mandamentos tomarem experiência para as suas vidas. Como peregrinos que somos, este peregrino da palavra o convida a meditar sobre a liberdade do viver em Cristo e do viver segundo o mundo. Pense nisso e depois compartilhe suas experiências com seus amigos, família e vizinhos, falando-lhes sobre o que seja atentar à lei perfeita da liberdade.

Sadi – Um Peregrino da Palavra.

Sady Folch# Liberdade Absoluta
leia mais

Liberdade de quê?

Tudo o que existe, incluindo você e eu, é fruto de um feliz acaso. Logo, não existe um propósito ou um sentido para a vida. O importante é ser feliz, não importa como. Se algo é bom para alguém, ótimo,  porque o importante é ele estar feliz. Devemos sempre seguir nosso coração, confiar na intuição. Não devemos negar ao nosso corpo o que ele pede, nem que seja pelo menos de vez em quando. É preciso dar vazão a nossos impulsos, todos eles. Não existe nenhum Deus. Se existe, não é lógico nem plausível que Ele vá se importar com o que eu faço ou deixo de fazer, penso ou deixo de pensar, nem com as escolhas que faço. Se Ele se importa, é porque está me espreitando, colocando no meu caminho árvores de cujos frutos eu não posso comer, só para, quando eu não resistir e comer, me castigar. Ou então o contrário, Ele sabe quais são as minhas circunstâncias, Ninguém é perfeito, ninguém é de ferro. Ele entende e por isso mesmo ele perdoa qualquer escorregão meu, porque Ele quer me ver feliz também, e sabe que para isso eu preciso ter umas válvulas de escape. No fundo eu sou uma boa pessoa e Deus sabe disso embora eu não fale muito com Ele. E a lei de Deus é impossível de ser guardada. Ou então, o contrário: nós existimos apenas para guardar a lei, até a mínima vírgula, e temos que nos mortificar constantemente para isso. E olhar se os outros estão na mesma toada, porque, se não estão, precisamos colocá-los na linha. Não existe mesmo uma verdade absoluta, tudo é relativo. Ou então, o contrário: a minha verdade é suprema, o que quer dizer que você está errado e deve ser castigado por isso, deve lamber minhas botas ou deixar de existir. Não se deve levar desaforo pra casa, nem ficar em
desvantagem jamais. Temos que construir um paraíso aqui na Terra. Ou então, o contrário: um dia vamos para o Céu, aonde todos os problemas serão resolvidos, assim, não adianta cuidar de política nem tentar modificar a realidade à nossa roda. Somos todos imortais e as mancadas dessa vida serão pagas numa outra. Tudo continua como sempre foi. Mais um desastre, mais uma tragédia, como tantas outras, não há nada acontecendo de mais solene ou relevante.

Etc, etc e etc.

Jesus disse que conheceríamos a liberdade e ela nos libertaria (João 8:32). Ora, à parte os significados mais profundos dessa assertiva, a primeira coisa de que a verdade nos liberta é a mentira.

Marco Aurélio BrasilLiberdade de quê?
leia mais

Lei da liberdade

Dois grandes pensadores, J. Locke e Montesquieu, defensores do liberalismo, tentaram resolver o problema ao afirmarem: “Onde não há lei, não há liberdade” e “Liberdade é o direito de fazer tudo o que a lei permite”, respectivamente. Em sua obra “Amor um sentimento a ser aprendido”, Walter Trobisch afirma que se olharmos com atenção uma vida destruída veremos que tudo começou com a transgressão da Lei de Deus. Parece que ele entendia claramente o sentido do termo “lei da liberdade”. Ele afirma que quando o Eterno nos pede, até nos proíbe alguma coisa, é porque nos ama e quer o nosso melhor.

Mesmo uma análise superficial dos Dez Mandamentos (Êxodo 20:3-17) mostra que todos estão calcados em uma palavra, relacionamento. Na primeira seção os três primeiros mandamentos tratam da nossa relação de respeito com o próprio Deus, o quarto mandamento mostra a importância de separar um dia para aprofundar essa relação, e recarregar as energias através do descanso e meditação. O quinto mandamento inicia a segunda seção falando da nossa relação com as maiores autoridades terrestres abaixo do Eterno, nossos pais, a partir daí temos cinco mandamentos que orientam nosso comportamento em relação ao outro ou àquilo que é seu.

É muito fácil achar quem não goste de seguir a lei, seja ela qual for, mas como é difícil, talvez impossível, achar alguém que não se incomode ao ver o outro desrespeitando a lei. Quando nos deixou Sua Lei o Eterno queria apenas o nosso melhor e queria que, ao segui-la, vivêssemos em pé de igualdade, satisfação e harmonia plena. Ao povo de Israel foi prometido força, longevidade, segurança, prosperidade e moradia se guardassem os mandamentos (Deuteronômio 11:8-10, 13-15, 21-25). Se o Eterno não muda (Malaquias 3:6a), porque conosco seria diferente? O Eterno quer o seu melhor, faça a sua parte, o restante é com Ele.

Gelson de Almeida Jr.Lei da liberdade
leia mais

# Morte e Vida

Percebo que se tornou um hábito escrever esta semente do domingo depois de ouvir as palestras do programa Viva que acontecem no sábado à tarde. Não que faltem testemunhos do dia a dia, razão da existência das sementes semanais, para traçar um paralelo com a palavra de Deus. Mas, depois que me mudei para outro Estado, não podendo estar presente às programações, tenho me voltado mais ao site Nova Semente, pois assim continuo no caminho em que Deus me colocou a ouvir verdades que têm transformado minha vida. Ainda que pelo tanto que tenho sido transformado desde que ingressei em fevereiro de 2006, creio que a distância tem exercido sobre mim um poder ainda maior, provando ser a experiência real com Deus, testemunhada e ensinada ali, a responsável pelas transformações que tenho passado, à medida que me permito tamanha felicidade.

É de fato uma experiência real com Deus que acontece naquela comunidade. Como os homens que andaram com Cristo, assim como os que fazem parte da Nova Semente, tenho cada vez mais tido a consciência de quanto preciso continuar a andar com Deus, deixando-o na condução da minha vida, não podendo prescindir de forma alguma da Sua presença, e nem da Sua dependência que aprendi, me faz andar seguro por onde for, pois ouço a Sua voz, em especial pela Palavra que leio nas escrituras, vivenciando-as na prática.

Certa ocasião Jesus percebeu a atitude de alguns discípulos que antes andavam com Ele, começarem a se distanciar por não confiarem naquilo que Ele dizia. Foi que Ele então perguntou aos seus discípulos mais próximos se também eles desejavam ir. Respondeu Simão Pedro: Para onde iremos, se só tu tens a palavra da vida eterna. (João 6). Sinto-me como esse apóstolo. Para onde irei, e onde posso me apoiar e confiar, ainda que o mundo se prostre aos meus pés, se apenas em Cristo sinto meu coração, minha mente e meu espírito seguros e felizes de fato? E ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, eu nada temerei, pois Tu estás comigo. (Salmo 23). Ao crermos nessa proteção, vivemos momentos que os olhos carnais não presenciam naturalmente.

Digo isso não porque minha vida já esteja plena das realizações que tenho sonhado junto ao sonho de Deus, mas por que ao andar com Ele, dependendo das palavras vivas que contêm a Sua pregação no evangelho de Cristo, percebo estar a caminho de uma forma que o mundo não pode entender. Percebo a existência do tempo de Deus pelo que Ele me conhece, e sabe quando estarei preparado para receber e assim conservar o seu melhor na minha vida. Percebo os sinais pelos quais Ele me direciona rumo aos seus sonhos. Percebo que erro menos e, quanto me sinto mais feliz por tudo que vivencio na sua Palavra quando a coloco em prática. Percebo que quanto mais escuto as pregações de meu pastor, mais aumenta a minha fé, mais compreendo minhas reais necessidades, e por fim, testemunho a mim mesmo todos os dias, o quanto a alegria de viver assim tem aumentado à medida em que permito a transformação dos sonhos de Deus em minha vida. (Jeremias 29:11-13)

Volto a reportar sobre a palestra de ontem no programa Viva, a que sugiro assistam clicando neste link, pois por ele testemunho o quanto o processo de conversão e bênçãos é um caminho interminável, pois senti um impacto tão grande, tão forte que não apenas a alegria de novos esclarecimentos tomou conta de mim, mas vivenciei a revelação de um medo que ainda estava oculto sem que eu conseguisse o confessar, fazendo de aspectos da minha vida paralisados, e o senti extirpado quando as lágrimas que correram em meu rosto, no momento da prece final, disseram ao meu coração que não devo temer, nem permitir que o passado se oculte em mim, mas viver a mesma certeza que viveu o paralítico a quem Jesus perdoou os pecados e, ao ouvir a voz do Mestre e crer que Ele tinha poder de vida eterna, levantou tomou sua maca e andou pela vida conforme os sonhos de Deus para ele.

Que a vida de todos vocês que me leem seja abençoada pela dependência de Deus.

Shalom Aleichem  

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Morte e Vida
leia mais

# Mulher virtuosa

Ainda que mereçam homenagens em todos os dias do ano, nesta sexta foi comemorado no mundo inteiro o dia internacional da mulher. Mulheres casadas ou simplesmente as que entregam sua vida às causas humanitárias, religiosas e mesmo científicas, fazendo da humanidade a sua família, sejam elas quais forem, uma coisa é certa, elas merecem todo o respeito como ser humano que são, exclusivamente pelo notório e intrigante conjunto de delicadeza e força que apresentam em seu comportamento.

Os especialistas em convívio familiar comentam que os casais devem conhecer sobre as diferenças de comportamento entre homens e mulheres, objetivando o aperfeiçoamento e o equilíbrio da convivência. Considero-me um marido feliz, bem casado, e amo muito minha mulher, mas isso não termina aí, pois reconheço que ela precisa sentir o mesmo que eu, ainda que os padrões de comportamento e percepção sejam diferentes entre os gêneros.

As mulheres sempre foram importantes colunas de sustentação da vida em sociedade. Contudo, sabe-se que muitos levam em conta que os homens foram os personagens principais na história. Parece-me prematuro afirmar isso com tanta intensidade, pois gostaria de presenciar que tipo de autonomia nós, maridos teríamos sem que elas estivessem no controle da família.

É por isso que se diz que ambos se completam. E por isso o próprio Deus quando a criou, dizem as escrituras, a colocou diante do homem, e não atrás dele. (Gen.2:18). O certo é que as mulheres ao longo de milênios ao terem um contato mais íntimo com a família, com os filhos e com a própria administração da casa, obtiveram uma visão mais ampla do que representa esse contexto quanto ao verdadeiro significado da vida.

Elas têm maneiras de sentir o mundo que estão um pouco além do que o homem seja capaz de identificar ou entender. Há exceções, é óbvio. Contudo, as ocupações masculinas em geral, por estarem basicamente no plano da razão, tornam sua visão sensorial em relação à vida um pouco mais limitada. Com a simplicidade de um gesto de carinho, por exemplo, os homens muitas vezes não entendem que podem transformar e fazer toda a diferença em seu matrimônio.

As mulheres ao seu turno têm uma linguagem que nasce de uma percepção distinta, talvez por isso o salmista diga – quanto ao dia de amanhã, elas não têm preocupações – pois, ao tratar de sua família no dia de hoje, ela vislumbra mais do que a garantia do aspecto financeiro conseguido pelo marido, mas, a certeza de que a segurança de seus atos são firmes o bastante não só para que a família siga em harmonia, mas, sobretudo para agirem e se manterem em equilíbrio caso a adversidade venha a surgir.

Não à toa elas hoje se sobressaem em trabalhos que antes eram realizados apenas pelos homens, afinal, foram milênios de formação nos bastidores, muitas vezes caladas, mas, sobretudo analisando as situações da vida e chegando à conclusões equilibradas. Não à toa a bíblia registra mulheres maravilhosas, virtuosas, que fizeram a diferença.

Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de finas jóias. A força e a dignidade são os seus vestidos, e, quanto ao dia de amanhã, não tem preocupações. Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua. Atende ao bom andamento da sua casa e não come o pão da preguiça. (Provérbios 31:10-31)

Shabbat Shalom!

Sadi – Peregrino da Palavra

Sady Folch# Mulher virtuosa
leia mais

# Uma Vida com Sentido

Aproveito a deixa do pastor sobre a necessidade dos pais, membros da igreja adventista, em proporcionarem aos seus filhos a oportunidade de participarem do Clube dos Desbravadores, para mencionar algumas ideias sobre saúde e alimentação. O Clube dos desbravadores é uma perfeita extensão da boa formação que já acontece na igreja, pois reitera não apenas os princípios cristãos ensinados nos cultos e em casa, mas também ao desenvolver suas atividades, ensina-os o convívio em grupo e o respeito a ele inerente, sem dizer que esclarece desde cedo as benesses dos princípios de saúde às nossas crianças, adultos que serão daqui a quinze, vinte anos.

É como diz a passagem bíblica. “Ensina a criança o bom caminho que deve andar, e mesmo quando for velho não se desviará dele” (Prov.22:6). Há um documentário na internet chamado “muito além do peso”. Nele se retrata os hábitos alimentares das crianças brasileiras. É bastante esclarecedor; para não dizer aterrorizante. E de fato esta é a palavra mais certa que resume o quadro vivido pela geração que irá renovar a sociedade com novas famílias e novos profissionais daqui a dezoito, vinte anos.

Entre as crianças entrevistadas em meio ao panorama do recreio, todas sem exceção comiam uma sacola de biscoitos ou bolos processados, acompanhados de achocolatados ou sucos de caixinha. E segundo elas mesmas, seria uma vergonha comer uma fruta na hora do recreio, pois seriam diferentes de todos à sua volta, e criança nenhuma quer passar por isso. Nem preciso dizer que as mais obesas sentem-se cansadas na hora da educação física.

O resultado parcial disso, enganoso em todo o contexto, é uma população adulta convencida pelos alimentos industrializados. O resultado são crianças cansadas ao mínimo esforço que façam. Moral da história acaba na preferência de dez em dez crianças do mundo, por ficarem 5 horas em frente da televisão. Apertar um botão em jogos eletrônicos em um quarto fechado, acompanhado de um saco de batatas fritas e refrigerante parece ser o paraíso de muitas delas.

Enfim, é a sociedade em que vivemos, e estamos no mundo, mas lembremos sempre, não somos do mundo, e podemos e devemos nos transformar, e aos nossos filhos, pela renovação de nossa mente, para conhecermos qual a boa, perfeita e agradável vontade de Deus.

Princípios de saúde adventistas tais como – ar puro; luz solar; descanso; exercício físico; ingestão de água e alimentação apropriada são práticas que todos devem buscar para estarem bem física e espiritualmente. E são estas algumas das práticas ensinadas às crianças no Clube dos Desbravadores.

Por isso, pais, vocês que têm filhos pequenos, não deixem de seguir o bom exemplo dos pastores da Nova Semente, e neste domingo, assim como no próximo, às 9 da manhã, se dirijam à sede da Central Paulistana na Rua Taguá, no bairro da Liberdade, e conheçam mais sobre o que seus filhos poderão aprender no Clube dos Desbravadores para se tornarem adultos saudáveis, e assim não terem que um dia darem a resposta que deu uma das crianças entrevistadas no documentário acima mencionado.

Ao ser questionada se lhe faltava alguma coisa em sua vida, a criança de dez, onze anos, pertencente à classe média, com um saco de biscoitos na mão, respondeu: Falta sentido!

Shalom Aleichem!

 adi – Um Peregrino da Palavra

Sady Folch# Uma Vida com Sentido
leia mais

# Falar com Deus

Quem assistiu a pregação da manhã deste sábado, proferida pelo pastor Felipe Tonasso, deparou-se com uma das maiores lições de cristianismo, oração e conversão. Dizia ele sobre nossas orações e pedidos a Deus, que costumeiramente podem estar revestidos de materialidade, efemeridade, sem falar em orgulho, vaidade e total falta de intimidade com a vontade de Deus. A resposta a tais “intimidades” que cremos ter, pode vir por meio de uma inevitável pergunta, tal como, O que você deseja de fato fazer com esse pedido, é me honrar? Você me conhece? Sabe quem Eu sou? Sabe o que pretendo para você? Por que quer saber mais sobre você mesmo, se nem conhece a mim? Filho, a quanto tempo você não fica comigo?

Estas perguntas mexeram muito comigo, pois elas demonstram o real nível de conhecimento e intimidade com Deus, à maneira que Cristo costumava testemunhar – Eu estou no Pai, e o Pai está em mim. E isso não é tão simples de colocar-se em prática. Requer muito daquilo que Paulo dizia: Não sou eu mais quem vive, mas Cristo vive em mim. No capítulo 14 de João, Jesus ensinava aos discípulos que tudo que pedíssemos ao Pai em nome dele nós seríamos atendidos. Contudo, qual é a essência desses pedidos, levando em conta que o Pai conhece tudo de que necessitamos? No verso anterior a essa afirmação, Jesus dizia que se crêssemos nele, faríamos as obras que ele fez, e maiores ainda. Veja. Aqui está a essência dos pedidos que devemos endereçar a Deus,  testemunho de dependência e de obediência.

Ao longo desta semana eu li algumas vezes o capítulo 17 do evangelho de João, e a passagem é linda, pois retrata a oração que Jesus faz ao Pai na presença de seus discípulos, onde naquele momento Ele roga por si próprio, depois pelos discípulos, para enfim, pedir por aqueles que acreditariam nele por intermédio da Palavra. E nessa conversa com o Pai, nos revela três dos conhecimentos mais importantes para a vida cristã – a vida eterna, a verdade e o testemunho da fé, para que alcancemos a unidade com Cristo e o Pai, que são um.

Cristo na passagem citada, ao conversar com Deus fala do poder que Ele recebeu a fim de dar-nos a vida eterna. E explica – A vida eterna é esta: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.  E em seguida, ao rogar pelos discípulos, Ele afirma: Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. E ao rogar por toda a humanidade que haveria de crer nele pela Palavra, justifica: Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti.

Não é exatamente o caminho que ouvimos maravilhados na manhã deste sábado? Afinal, se a busca do cristão é a vida eterna, Cristo nos revela que para entendê-la devemos conhecer ao Pai em sua completude, assim como ao Filho. Se devemos santificar-nos para compreendermos a essa busca, isso só pode ser chancelado pelo Pai por meio da verdade, que é exatamente a Palavra, e que segundo João 1, Cristo é a Palavra no início de tudo, e, segundo João 14, Cristo é a verdade. E por fim, é o nosso melhor pedido ao Pai que Ele nos dê a fé, dom de Deus, para que possamos nos entregar ao novo nascimento, e assim a Palavra possa viver em nós, e sermos perfeitos em unidade com o Pai.

Shalom Aleichem!

adi – Um Peregrino da Palavra.

Sady Folch# Falar com Deus
leia mais

Independence Day

Hoje se comemora a assinatura da Declaração de Independência dos Estados Unidos. Devido ao prejuízo obtido na Guerra dos Sete Anos, a Inglaterra decidiu cobrar pesadas taxas dos colonos e impor-lhes alguns costumes aos quais não estavam acostumados. Após uma série de conflitos, reuniões, etc. as 13 Colônias decidiram se tornar independentes do jugo e opressão ingleses.

Milênios atrás houve uma guerra no Céu (Apocalipse 12:7-9) onde Miguel (Cristo) saiu vencedor sobre seu oponente, o Príncipe das trevas, o universo e, principalmente o nosso planeta, sentiu, e ainda sente, de forma muito contundente os efeitos desta batalha, pois o lado derrotado tenta minorar suas perdas impondo-nos um jugo escravizante e destruidor, o jugo do pecado, que só pode ser vencido com o poder e as armas que o lado vencedor nos oferece gratuitamente.

Estamos no 186º dia do ano, faz poucos dias ultrapassamos a metade de 2012. Você já fez um balanço sobre como foi a sua primeira metade do ano, foram mais as vitórias ou as derrotas? Reflita sobre os erros cometidos, para que não ocorram novamente e nos acertos, para que persista neles. Assine agora sua declaração de independência, liberte-se do  jugo do pecado e de sua maior consequência, a morte e tome posse da vida eterna que Cristo concede (Romanos 6:23).

Aquele que nunca perdeu uma batalha sequer deseja ser o seu companheiro de armas nesta batalha, creia, com Ele ao seu lado a vitória é certa.

Gelson de Almeida Jr.Independence Day
leia mais

# Vidas Perfeitas

Houve um tempo em que desejar ser o melhor era a tônica de meu comportamento. Isto surgiu de uma criação em que o perfeccionismo me foi ensinado como sendo o que faria a diferença entre ser um vencedor e um perdedor. Por si só tal ensinamento já era um engano, pois, na vida é preciso aprender a participar, a perder algumas vezes, a lutar, sim, a dar o melhor de si, contudo, com respeito aos adversários, reconhecendo neles e mesmo em nós os limites a serem superados ou não, dependendo do caso. Isto sem falar que vencer ou perder está mais ligado a desistir do que propriamente não ter alcançado determinado objetivo.

No entanto, só mesmo décadas à frente cheguei a aprender coisas tão importantes para viver bem. Até então, no caminho fui deixando pedaços de mim a cada momento que não reconhecia ter me esforçado o bastante. A cada turno, fui me esvaindo como pessoa justamente por não entender que o perfeccionismo estava me levando ao caminho do orgulho, da vaidade e da arrogância, marcas que até hoje preciso entregar a Cristo a fim de me libertar.

Por um conjunto natural de perdas que a vida apresenta, fui acreditando ser um perdedor, e desta forma, aos poucos deixei de realizar trabalhos, alcançar objetivos, conviver amavelmente com pessoas, enfim, deixei de ter fé na vida e na alegria de viver. Assim, surgiu nesse vazio uma depressão profunda, e por não haver em mim a palavra revelada em seu contexto mais puro e verdadeiro, quando percebi ela havia tomado conta de meus atos. Nesse instante surgem paliativos que pareciam me levantar e me levar a um lugar melhor. Seu nome – as drogas. Ledo engano. Fizeram de mim um escravo a viver trevas que não desejo a ninguém.

Havia se passado pelo menos dez anos, quando em Abril de 2002 aceitei o convite de um amigo para voltar a São Paulo, a fim de me tratar em um grupo de apoio a dependentes químicos dentro de uma igreja evangélica. Isto depois de passar por vários tratamentos com psicólogos e psiquiatras, sem qualquer êxito. Naquela época conheci também o louvor de João Alexandre, a quem para minha surpresa encontrei sábado passado nesta igreja, e pude testemunhar a ele o quanto as letras de seus louvores fizeram toda a diferença em minha restauração. Foi especialmente mediante o louvor que passei a entender as palavras de João Batista – “É preciso que Ele cresça e eu diminua”. Já não olhava mais para mim com vaidade ou tristeza, mas, agia com os olhos em Jesus, como me aconselhou as mesmas palavras anos depois, o pastor Kleber Gonçalves, no momento em que emergi das águas do batismo.  

Testemunho hoje que foi pelo poder de Deus que minha vida emocional, física e psíquica foi restaurada naqueles dias, assim como pelo mesmo poder, o caminho da minha formação espiritual estava sendo pavimentado, para culminar junto à verdade ensinada pela igreja adventista do sétimo dia, a que busco viver não por ser esta melhor que outras igrejas, mas, por ela aceitar somente a escritura sagrada, esta que é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho, e que nos ensina a guardar o mandamento e ter a fé em Jesus.

Naqueles primeiros anos de conversão eu soube que meu caminho não teria volta. Precisava daquelas palavras sólidas do evangelho, e especialmente do ensinamento que não me exigia ser melhor do que ninguém, mas, sobretudo, aprender que existe o cair e o levantar. E para isso eu contaria com o amor e o sobrenatural do Criador. Se há algo para se apontar como reflexo da perfeição nesta vida, que de perfeita até agora somente teve a primeira vinda de Cristo, é esta experiência real com Deus onde encontro o verdadeiro diferencial entre ser um vencedor ou um perdedor.  

Shabbat Shalom !

Sadi – Um Peregrino na Palavra.

Sady Folch# Vidas Perfeitas
leia mais

Batalha de Jenipapo

Treze de março de 1823. Às margens do rio Jenipapo acontece uma batalha, batalha esta que foi decisiva para consolidar a independência do Brasil. Mesmo após a independência, forças inimigas lutavam para tentar manter o povo sob o domínio português. Esta batalha foi decisiva, pois fez com que uma grande parte do território nordestino consolidasse a liberdade, e, consequentemente a de todo o território. Quase dois mil anos após o início do domínio português, mesmo que parcial, o Brasil garantia estava livre.

Certa feita, ensinando no templo, Cristo falou a um grupo de judeus que seriam verdadeiramente livres apenas quando conhecessem a verdade (João 8:32). Enquanto se referia à vida espiritual, e da prática diária, o povo pensava em escravidão literal. Quando morreu na cruz, Cristo nos libertou do domínio do mal, ressuscitando, ao terceiro dia, Cristo nos concedeu o direito de liberdade definitiva e eterna.

Diariamente travamos batalhas contra forças inimigas que querem nos manter escravos do pecado, lutam desesperadamente para que, pelo menos parte do povo pelo qual Cristo deu Sua vida, ainda permaneça em regime de escravidão, mesmo que de forma disfarçada.

Que hoje seja um dia decisivo em sua vida. Como os nordestinos lutaram para garantir a liberdade, lute contra as forças do mal para não ser um escravo do pecado e de suas consequências. Lembre-se, você não está sozinho nesta batalha, o Eterno está ao seu lado para garantir a vitória. Faça a sua parte que o resto Ele fará.

Gelson de Almeida Jr.Batalha de Jenipapo
leia mais