-

# Tempos difíceis

imagesEis aí um termo muito repetido no meio evangélico. Tempos difíceis. Mas, por que difíceis? A maioria deve responder, com certeza, que por guerras, fome, terrorismo, corrupção, perseguições religiosas.

Mas, o que fazer para não vivermos tempos difíceis? Estar em paz? Mas, como ficarmos em paz diante de tantos horrores? Cristo é a resposta, e a transformação que ele proporciona não tem nada a ver com viver angustiado. Ou se é discípulo que aprendera de fato a lição, ou se está vacilando nos ensinamentos.

“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos, trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; e assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal”.

Parece-me, corrijam-me se eu estiver errado, mas este texto de Paulo mostra que em Cristo há uma transformação que nos mantêm íntegros, em paz, não importando se morremos ou não, afinal, também o apóstolo afirmara: “Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho”.

Se nós somos entregues à morte por amor de Jesus, como poderíamos viver outro comportamento senão amando. E quem ama não pode se misturar com medo, com ódio, com o mundo, enfim.

A semente do Peregrino da Palavra, então, te entrega este texto final de Paulo para que pense sobre a decisão de viver em tempos difíceis ou o amor…“Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido…

Sady Folch# Tempos difíceis

Artigos Relacionados